Porto Alegre, terça-feira, 19 de janeiro de 2016. Atualizado às 16h10.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
31°C
32°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0540 4,0560 0,52%
Turismo/SP 3,6500 4,2400 0,23%
Paralelo/SP 3,6500 4,2400 0,23%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 19/01/2016

Após o recesso, nove CPIs

Quando voltarem do recesso parlamentar, em fevereiro, deputados e senadores retomarão os trabalhos das comissões parlamentares de inquérito (CPIs) que estão em funcionamento. Atualmente, cinco CPIs estão instaladas na Câmara e quatro no Senado. Na Câmara, a CPI dos Fundos de Pensão é a que tem provocado mais movimentação de governistas e oposicionistas. A comissão investiga se houve aplicação incorreta de recursos, entre 2003 e 2015, em quatro fundos de pensão: Petros (Petrobras), Funcef (Caixa Econômica Federal), Postalis (Correios) e Previ (Banco do Brasil). Nesse período, os fundos acumularam prejuízos que podem impactar no pagamento das aposentadorias dos servidores. O relator da comissão, deputado federal Sérgio Souza (PMDB-PR), disse que pretende pedir novas quebras de sigilo bancário, fiscal e telefônico de investigados.
Bndes
Outra comissão parlamentar de inquérito que mexeu com os deputados em 2015 e que ainda está pendente de conclusão é a CPI do Bndes. A próxima reunião está marcada para o primeiro dia após o retorno dos deputados, 2 de fevereiro, quando devem ser apresentados relatórios setoriais que embasarão o relatório final.
Corrupção na CBF
No Senado, a CPI com mais destaque é a que investiga suposta corrupção na Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Presidida pelo senador Romário (PSB-RJ), a investigação da CPI envolveu a quebra dos sigilos bancário, telefônico e fiscal dos três últimos presidentes da confederação: Marco Polo Del Nero, José Maria Marin (que está em prisão domiciliar nos Estados Unidos) e Ricardo Teixeira.
CPI do HSBC
Também retomará os trabalhos no dia 8 de fevereiro, a CPI do HSBC, que investiga denúncias de que brasileiros enviaram dinheiro ilegalmente para contas do banco na Suíça. No entanto, os senadores optaram por prorrogar os trabalhos até março deste ano. Para o senador Randolfe Rodrigues (P-Sol), vice-presidente da CPI do HSBC, o depoimento do especialista em informática, Hervé Falciani, ressuscitou a CPI do HSBC. O banco, no Brasil, foi comprado pelo HSBC. O Senado tem ainda em funcionamento a CPI do Assassinato de Jovens, que já foi prorrogada e deverá ter os trabalhos concluídos também em março. Além disso, a CPI dos Fundos de Pensão aguarda para ser instalada. CPIs são mecanismos importantes para a defesa dos interesses dos cidadãos. O que preocupa é o risco de banalização em que os únicos resultados acabam sendo os holofotes para os parlamentares buscarem mais exposição na mídia.
 


COMENTÁRIOS
Pery Sommer Pereira - 19/01/2016 15h19min
Durma com o barulho de nove CPIs- tomara que não se torne outra pizza gigante.Quando abrirem a caixa preta do BNDES teremos a OPERAÇÃO JUMBO...e assim vamos não se sabe até quando. Será que a ONU pedirá para alguma grande potência endireitar nossa casa?

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Afastamento do PT
A política econômica do governo está colocando o próprio PT como inimigo do Planalto

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo