Porto Alegre, segunda-feira, 11 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h37.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
32°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0500 4,0520 0,29%
Turismo/SP 3,7000 4,2100 0,47%
Paralelo/SP 3,7000 4,2100 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 12/01/2016

Atropelando o Planalto

Depois que a Polícia Federal (PF) tem mostrado o grau de intimidade do empreiteiro Léo Pinheiro com alguns ministros do governo Dilma Rousseff (PT), a preocupação do Palácio do Planalto aumentou em relação aos desdobramentos da Operação Lava Jato neste início de ano. A expectativa da articulação política do governo era de um período de calmaria em janeiro. Isso permitiria aproveitar o recesso parlamentar para recompor pelo menos parte da base aliada no Congresso Nacional, principalmente, para enfrentar o processo de impeachment contra a presidente Dilma. A realidade é que a estratégia do governo foi atropelada já na arrancada de 2016. A revelação da PF de mensagens trocadas entre o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, autoridades e políticos tirou a tranquilidade necessária para que o Executivo pudesse trabalhar para recuperar a governabilidade. O que causou um enorme desconforto ao Palácio do Planalto foi a vinda a público de mensagens entre o empreiteiro da OAS, Léo Pinheiro e ministros, como Jaques Wagner, da Casa Civil, e Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação Social. As novas revelações envolvendo Léo Pinheiro com o governo está deixando políticos apreensivos, na Esplanada dos Ministério, em Brasília.
Evangélicos divididos
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sempre recebeu o apoio irrestrito da bancada evangélica. Essa posição está sendo repensada pelos evangélicos, hoje, divididos em torno de continuar ou não a apoio ao parlamentar carioca. Diante das denúncias que vêm se sucedendo entre contas na Suíça e patrimônio não compatível com rendimentos, os parlamentares começam a achar que é insustentável continuar a apoiar Eduardo Cunha. Ele continua, contudo, com sua base mais fiel: os chamados deputados do baixo clero. Com isso, após o recesso, haverá uma definição de quem permanecerá apoiando o parlamentar, o que poderá também dar um caminho de seu futuro na presidência da Câmara dos Deputados.
Calçadistas confiantes
O deputado federal Renato Molling (PP), presidente da Frente Parlamentar do Setor Coureiro-Calçadista e Moveleiro na Câmara dos Deputados, destaca que a Couromoda 2016 contribui para o entusiasmo do setor calçadista. "Esse setor gera 250 mil empregos diretos e é muito importante para a economia do País." O parlamentar explica que, em 2015, foi sancionada a Lei nº 13.161, que revê a desoneração da folha de pagamento concedida a 56 setores da economia e aumenta as alíquotas sobre a receita bruta das empresas. A proposta inicial era aumentar a alíquota do setor calçadista de 1% para 2,5%. No entanto, a proposta aprovada fixou a alíquota em 1,5%. "O projeto da desoneração é vantajoso para quem exporta, por não pagar a alíquota sobre o faturamento."
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
O mais poderoso
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), se tornou, em 2015, o homem mais poderoso do Brasil

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo