Porto Alegre, segunda-feira, 11 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h38.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
32°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0500 4,0520 0,29%
Turismo/SP 3,7000 4,2100 0,47%
Paralelo/SP 3,7000 4,2100 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Síria Notícia da edição impressa de 12/01/2016. Alterada em 11/01 às 20h13min

Auxílio humanitário é enviado a cidades sitiadas

STRINGER/AFP/JC
Moradores de Madaya aguardam chegada de comboio da Cruz Vermelha

Em meio a disputas políticas no contexto da guerra civil na Síria, caminhões da Cruz Vermelha partiram ontem de Kasweh, ao Sul da capital, Damasco, com destino a Madaya, perto da fronteira com o Líbano, levando ajuda humanitária para milhares de civis famintos em cidades sitiadas no Oeste e no Norte do país. Além disso, saíram de Homs veículos com destino às vilas xiitas de Fua e Kafarya, na província de Idlib, no Norte do país, que estão cercadas por rebeldes contrários ao regime do presidente Bashar al-Assad.
A operação de ajuda humanitária foi acordada na semana passada, após ativistas relatarem a morte de dezenas de pessoas por inanição. Segundo testemunhos, a escassez de alimentos tem levado moradores a comer plantas e animais de estimação. O Programa Mundial de Alimentos da Organização das Nações Unidas (ONU) informou que embarcará o equivalente a um mês de alimentos para mais de 40 mil pessoas em Madaya e Damasco e também o suficiente para 20 mil pessoas para Foua e Kfarya a partir da cidade de Homs.
Imagens de crianças e adultos famintos circularam pelas redes sociais, gerando comoção e revolta. Este é o mais recente episódio da crise humanitária gerada pela guerra civil na Síria, que teve início em março de 2011 com um levante contra o regime de Assad. Atualmente, o controle territorial do país está fracionado entre forças leais ao regime e grupos rebeldes. O conflito abriu espaço para milícias extremistas, como o Estado Islâmico (EI), expandirem sua influência na região.
A guerra já deixou mais de 250 mil mortos e provocou o deslocamento de quase metade dos cerca de 20 milhões de habitantes do país, incluindo 4 milhões de pessoas que se refugiaram em outros países.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Rússia destrói posto de comando do Estado Islâmico na Síria
Ataques aéreos russos destruíram um posto de comando do grupo jihadista Estado Islâmico perto de Raqa
Líder do Hezbollah é morto em ataque aéreo

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo