Porto Alegre, domingo, 31 de janeiro de 2016. Atualizado às 22h01.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
27°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0210 4,0230 1,37%
Turismo/SP 3,8500 4,2900 0,70%
Paralelo/SP 3,8500 4,2900 0,70%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

EFEITOS DO TEMPORAL Notícia da edição impressa de 01/02/2016. Alterada em 31/01 às 23h01min

Supercélula que atingiu a área mais central de Porto Alegre tem força comparável à de um tornado

FREDY VIEIRA/JC
Rua José Bonifácio, que aos domingos recebe o tradicional Brique da Redenção, foi tomada por galhos de árvores após o temporal

Paula Sória Quedi

A principal pergunta de quem presenciou uma das tempestades mais fortes dos últimos anos em Porto Alegre é se o fenômeno poderia ter sido previsto. A resposta é complexa. A tempestade, sim. E foi prevista. Os prognósticos da MetSul Meteorologia para sexta-feira indicavam "risco de chuva localmente forte e de temporais isolados de ventos intensos e raios". Segundo a empresa, foi exatamente o que ocorreu. No entanto, a intensidade só pode ser definida minutos antes.
Conforme a Metsul, não houve furacão, fenômeno que se forma sobre o mar, tampouco ciclone, que é uma área de baixa pressão com centenas de quilômetros de diâmetro. "O que ocorreu em Porto alegre é um fenômeno extremamente raro. Foi uma supercélula, uma área de tempestade muito intensa, com um núcleo extremamente forte, que costuma formar fenômenos muito graves. A tempestade se formou na região carbonífera, a Oeste da cidade, avançou para a Capital, onde se intensificou, descarregou toda a sua energia e se dissipou", ressaltou a MetSul.
A supercélula foi formada a partir do calor extremo que, durante a tarde de sexta-feira, atingiu 39,3 graus em Porto Alegre e mais de 40 graus nos vales. Uma vez sobre a Capital, deu origem a um fenômeno conhecido como Downburst (explosão atmosférica), que se configura como uma violenta corrente de vento que desce da nuvem de tempestade em direção ao solo. Ao atingir a superfície, esta corrente se expande de forma radial, como se fosse um círculo, com vento destrutivo e que, em alguns casos, pode atingir até força comparável à de um tornado.
A rajada máxima na Capital foi no Jardim Botânico, com 120 km/h. Entretanto, a análise dos danos na região do Menino Deus e Praia de Belas, zona mais afetada da cidade, "sugere que a região pode ter experimentado rajadas superiores a 150 km/h". Fenômenos de supercélulas ocorreram em Novo Hamburgo, em 31 de janeiro de 2014, e em Porto Alegre em 14 de outubro passado.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Cenário de bombardeio em Porto Alegre evidenciou prejuízos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo