Porto Alegre, terça-feira, 26 de janeiro de 2016. Atualizado às 16h54.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
28°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0670 4,0690 0,67%
Turismo/SP 3,8700 4,2600 1,38%
Paralelo/SP 3,9700 4,2600 1,38%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

contas Públicas Notícia da edição impressa de 26/01/2016. Alterada em 25/01 às 22h27min

Dívida federal encerrou 2015 em R$ 2,79 trilhões

FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR/JC
Para Otávio Ladeira, apesar das turbulências, DPF continua sustentável

Em um ano de intensa volatilidade no mercado, com a Selic mais alta e a inflação ultrapassando os dois dígitos, o estoque da Dívida Pública Federal (DPF) subiu 24,85% em 2015 e encerrou dezembro em R$ 2,793 trilhões, uma elevação de R$ 555,9 bilhões. Em dezembro, relação a novembro, a alta foi de 2,80%, de acordo com dados divulgados, nesta segunda-feira, pelo Tesouro Nacional. Para 2016, o Tesouro trabalha com a perspectiva de uma dívida entre de R$ 3,1 trilhões e R$ 3,3 trilhões, de acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF).
O estoque ficou dentro do previsto no PAF de 2015, que previa um intervalo de R$ 2,65 trilhões a R$ 2,80 trilhões. Isso só foi possível, porém, porque o Tesouro alterou o PAF em agosto. Originalmente, a previsão era de que a dívida encerrasse o ano em, no máximo, R$ 2,6 trilhões, valor que foi ultrapassado ainda em julho. Em dezembro de 2014, o estoque estava em R$ 2,237 trilhões e, em novembro do ano passado, em R$ 2,717 trilhões.

Leia o texto integral em nossa
ediÇÃo para folhear

  • Acesso gratuito, durante fase de avaliação, mediante cadastro.
  • Clique aqui para acessar.


COMENTÁRIOS
João Pedro Casarotto - 26/01/2016 15h52min
A Dívida Pública Mobiliária Federal interna e externa - inclusive a em poder do Banco Central - chegou em dezembro de 2015 a R$ 4,08 trilhões. nNeste ano ela cresceu R$666 bilhões, o que corresponde a 99% da Receita Corrente Líquida, que chegou a R$ 675 bilhões.nO Senado Federal estabeleceu que o comprometimento da receita corrente líquida com a dívida não pode ultrapassar a 120% nos Municípios e a 200% nos Estados, mas para o Governo Central, que já atingiu 605%, ele ainda não fixou os limites.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Cadip auxiliou Estado a antecipar receitas Em 2015, 44% dos programas federais ficaram sem verba
Cortes atingiram todos os setores, de transportes a recursos hídricos, de programas sociais a projetos de saneamento básico
Barbosa quer aumentar receita e cortar gastos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo