Porto Alegre, segunda-feira, 25 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h28.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
27°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0952 4,0968 0,32%
Turismo/SP 3,8700 4,3200 0%
Paralelo/SP 3,8700 4,3200 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Tecnologia Notícia da edição impressa de 26/01/2016. Alterada em 25/01 às 21h20min

Investimentos no setor de TI devem alcançar US$ 3,5 trilhões em 2016

JOSEP LAGO/AFP/JC
Dispositivos mobile impulsionam segmento de computadores, assim como a mudança para o Windows 10

O aumento do dólar americano é o vilão por trás dos resultados de 2015, quando as despesas com Tecnologia da Informação (TI) foram US$ 216 bilhões menores no mundo que em 2014. Mas, neste ano, a história poderá ser diferente. "As receitas das multinacionais norte-americanas enfrentaram ventos contrários ao dólar no ano passado. No entanto, em 2016, esses ventos irão embora e elas poderão esperar um crescimento adicional de 5%, projeta otimista o vice-presidente de pesquisas do Gartner, John-David Lovelock.
A previsão da empresa de aconselhamento em tecnologia é que os investimentos mundiais em TI deverão atingir US$ 3,5 trilhões neste ano, aumento de 0,6% em relação a 2015. Já os níveis de investimentos de 2014 não serão ultrapassados até 2019.
O mercado de dispositivos (computadores, ultramobiles, celulares, tablets e impressoras) deve diminuir 1,9% em 2016. Os motivos para isso incluem a combinação das condições econômicas que impedem países como Rússia, Japão e Brasil de voltarem a ter um crescimento mais forte, com uma mudança nos gastos de telefonia em mercados emergentes para os telefones de baixo custo e a fraca adoção ao tablet nas regiões onde havia uma expectativa de crescimento.
Dispositivos ultramobile premium devem impulsionar o mercado de computadores, assim como a mudança para o Windows 10 e para os computadores baseados no Intel Skylake. O Gartner prevê uma redução na velocidade de aceitação dessas tecnologias ao longo de 2016, mas espera que a situação se reverta em 2017, com a estabilização do ambiente econômico.
Gastos com sistemas centrais de dados deverão chegar a US$ 75 bilhões, um aumento de 3% em comparação a 2015. O mercado de servidores tem visto a maior mudança desde a previsão do trimestre anterior, com uma demanda maior do que a esperada por parte do setor de hiperescala que tem durado mais tempo do que se imaginava. Estima-se que a demanda neste segmento continue a ser forte em 2016.
O ambiente econômico dos mercados emergentes teve pouca participação na previsão de gastos de empresas com software para 2016. Os gastos com TI em mercados emergentes devem totalizar US$ 326 bilhões, um aumento de 5,3% em comparação a 2015.
No entanto, países-chave, particularmente o Brasil e a Rússia, enfrentam crescentes desafios políticos e econômicos. De acordo com o Gartner, as organizações nessas regiões devem equilibrar o corte de custos com oportunidades de crescimento durante os tempos de preocupação econômica.
Os gastos no mercado de serviços de TI devem voltar a crescer em 2016, após uma queda de 4,5% em 2015, chegando a US$ 9,4 bilhões neste ano, um aumento de 3,1% em comparação com 2015. Isso se deve à aceleração do impulso de adoção da infraestrutura de nuvem e aceitação deste modelo por parte dos consumidores.
Já as despesas com serviços de telecom deverão diminuir 1,2% em 2016, chegando a US$ 1,4 trilhão. O segmento será afetado pela abolição das taxas de roaming na União Europeia e em partes da América do Norte. O aumento do tráfego móvel de voz e de dados será insuficiente para compensar a perda das receitas provenientes de tarifas de roaming e premium.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
A difícil tarefa de resistir aos bips do celular WhatsApp diz que deixará de cobrar taxa de assinatura
Por anos, o WhatsApp pedia que seus usuários pagassem uma taxa anual de uso do serviço após o primeiro ano de utilização
Oracle prevê adoção mais intensa de Big Data

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo