Porto Alegre, terça-feira, 08 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h31.
Dia da Família.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
29°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8090 3,8110 1,35%
Turismo/SP 3,6000 3,9700 0,25%
Paralelo/SP 3,6000 3,9700 0,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

negociação salarial Notícia da edição impressa de 09/12/2015. Alterada em 08/12 às 21h45min

Em nova reunião, governo tenta consenso sobre piso

ANTONIO PAZ/JC
Miki Breier sinalizou que o índice de reajuste sairá até sexta-feira

Lívia Araújo

Sem um consenso na primeira reunião entre entidades empresariais e sindicais, o governo do Estado deve reunir novamente, amanhã, as patronais e os trabalhadores para discutir o salário-mínimo regional. O encontro ocorre na sede da Secretaria Estadual de Planejamento, às 8h30min, e busca mais elementos para balizar uma decisão por parte do governador José Ivo Sartori (PMDB).
Segundo o titular da pasta do Trabalho e Desenvolvimento Social, Miki Breier (PSB), tanto sua secretaria como as do Planejamento, e do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia já tiraram juntas uma sugestão enviada ao governador. "Agora, só falta encaminhar o projeto à Assembleia. Até sexta-feira, é para sair o índice do gabinete", reiterou o secretário, que, na segunda-feira, já havia sinalizado o possível prazo para o envio. No entanto, o gabinete do governador, até o fechamento desta edição, não havia confirmado a informação.
Entidades como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Rio Grande do Sul, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Força Sindical e Nova Central Sindical defendem um reajuste de 11,55%, ou um índice que, ao menos, reponha os 10,33% da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Por outro lado, as entidades patronais, encabeçadas pela Fecomércio, Federasul e Fiergs, reivindicaram que o governo do Estado desista do aumento ou, pelo menos, o protele até o mês de maio.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Projeto de reajuste do mínimo sai até sexta

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo