Porto Alegre, terça-feira, 15 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h58.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
33°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8730 3,8750 0,33%
Turismo/SP 3,7000 4,0700 1,21%
Paralelo/SP 3,7000 4,0700 1,21%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Indústria Notícia da edição impressa de 16/12/2015. Alterada em 15/12 às 22h49min

Acordo de fornecimento de nafta não se confirma

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Para Eduardo Braga, estatal não cumpriu compromisso firmado

Devido à divergência entre Petrobras e Braskem sobre o fornecimento de nafta, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, exigiu uma explicação do presidente da petrolífera por não cumprir o combinado. "Há 45 dias, ele (o presidente da estatal, Aldemir Bendine) firmou um compromisso de que hoje (ontem) seria fechado o acordo de fornecimento. Cabe a ele honrar esse compromisso. A Petrobras está devendo explicações", afirmou o ministro.
Na segunda-feira, a estatal publicou um fato relevante afirmando ainda estar em tratativas com a Braskem para o abastecimento da matéria-prima, insumo básico para a produção de resinas petroquímicas. Entre as exigências da Petrobras, está a correção dos preços para patamares internacionais. Em 30 de outubro, quando a companhia assinou a quinta prorrogação do contrato, Bendine afirmou que um novo acordo estava sendo negociado e que seria firmado antes do final dessa terça-feira.
Em nota distribuída na noite de ontem, a Petrobras informou que, em relação ao contrato de longo prazo para fornecimento de nafta, ainda se encontra em tratativas com a Braskem na busca de condições que sejam equilibradas e comutativas para ambas as companhias. "Não haverá interrupção no fornecimento até o acordo definitivo", declarou a estatal.
Já a Braskem reiterou que a empresa espera assinar um acordo que reduza as incertezas que já afetam gravemente o setor industrial do Brasil. O comunicado é o mesmo enviado pela empresa na segunda-feira, com a diferença que, na ocasião, a companhia dizia que esperava fechar o acerto até ontem.
Inicialmente, a Braskem propôs que a referência de preço europeia para a nafta, conhecida como ARA, deixasse de ser utilizada, mas não obteve êxito. Também sugeriu que o intervalo do preço da nafta ficasse entre 90% e 110%, proposta igualmente não aceita. Por último, segundo uma fonte que acompanha as negociações, a posição que estava prestes a ser aceita, com a chancela do Ministério de Minas e Energia, como contrato de longo prazo, era da Braskem pagar 101% da referência ARA. No entanto, ainda conforme a fonte, a burocracia na Petrobras está complicando uma definição e deixando o setor petroquímico apreensivo quanto ao cenário de uma das suas principais matérias-primas.
A Braskem também estaria defendendo uma cláusula de renegociação do acordo, caso o preço do petróleo oscilasse muito para baixo ou para cima. Sem um contrato oficializado, se necessário, o grupo teria estoque de matéria-prima para operar por aproximadamente mais 10 dias.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Indústria gaúcha volta a registrar queda na atividade, aponta Fiergs
Presidente da entidade demonstra preocupação com o setor, que está no maior ciclo recessivo de sua história recente
Braskem aguarda contrato maior para a nafta Yara pode revisar plano de expansão no Estado Fiergs aponta queda maior do PIB do Estado em 2016

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo