Porto Alegre, domingo, 13 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h36.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
27°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8700 3,8720 1,92%
Turismo/SP 3,6500 4,0500 1,75%
Paralelo/SP 3,6500 4,0500 1,75%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Conjuntura Notícia da edição impressa de 14/12/2015. Alterada em 13/12 às 21h53min

Déficit em conta-corrente deve cair em 2016

KAREN BLEIER/AFP/JC
Moeda norte-americana ficou 40% mais forte ante o real em 2015

No fim de 2014, uma das preocupações dos economistas era de que o Brasil viveria, em 2015, o problema dos déficits gêmeos, ou seja, rombos perigosos nas contas externas e internas. O que ninguém contava, no entanto, é que o câmbio se desvalorizaria cerca de 40% neste ano. E este é um dos principais fatores que explica a brusca retração no déficit em conta-corrente em 2015 e nas projeções para 2016, tendo em vista o impacto que a valorização do dólar tem na redução das importações.
Após o déficit de US$ 104,08 bilhões em 2014 - que foi o recorde desde o início da série histórica, em 1947 -, as projeções da Focus apontam para um rombo de US$ 64,40 bilhões, neste ano, e de US$ 39,68 bilhões em 2016 - o menor nível desde 2009.
O Banco Central alterou, neste ano, a metodologia das contas externas, adotando o chamado padrão BPM6, do Fundo Monetário Internacional (FMI). Com isso, a série histórica do saldo em conta-corrente só foi atualizada até 2010. Nessa nova base de comparação, o déficit projetado para a Focus em 2016 será o menor desde o início da série, ou seja, 2010. No padrão anterior, o BPM5, o déficit previsto para 2016 será o menor desde 2009, quando o saldo ficou negativo em US$ 24,302 bilhões.
"O Brasil ficou 10, 11 anos com o consumo doméstico crescendo acima do PIB, então é óbvio que haveria uma expansão do déficit em conta-corrente. Agora, vemos uma reversão brusca desse consumo desmedido", aponta o economista Bruno Lavieri, da 4E Consultoria. Ele afirma que a redução deste rombo representa a diminuição de um fator de risco. Mas lembra que o déficit em conta-corrente nunca foi um grande problema, já que era financiado, em boa parte, pelo Investimento Estrangeiro no País (IDP, ex-IED).
O economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, diz que o déficit em conta-corrente é uma característica clássica dos países desenvolvidos, que consomem mais do que produzem. No caso dos emergentes, para analisar se o déficit é bom ou não, é preciso verificar a origem desse saldo. "Se o país tem uma balança comercial deficitária e uma balança de rendas e serviços também deficitária, isso pode até ser bom, pois indicaria um aumento da negociação com os mercados internacionais. Hoje, o déficit está caindo em termos absolutos, mas porque as importações estão perdendo muito terreno. Eu não gosto desse quadro", diz.
Agostini lembra que a redução no déficit em transações correntes, por um lado, significa que não há risco na questão da solvência em moeda estrangeira. "Quando se tem uma crise nas contas externas, ou você queima reservas internacionais ou ocorre uma desvalorização da moeda. E é importante que parte desse ajuste seja feita pela moeda, pois melhora a competitividade via preço e protege o capital de curto prazo."
A Austin projeta que o déficit em conta-corrente deve passar de 3,3%, do PIB deste ano, para 3,7% em 2016. Apesar da redução do rombo em valores absolutos, o tamanho da economia brasileira também está caindo fortemente, especialmente o PIB em dólares. A 4E estima déficit de 3,9%, neste ano, e 3,5% no próximo. Já o Credit Suisse disse que o saldo em relação ao PIB deve ficar em zero em 2016, de -3,3% em 2015. "Pela primeira vez desde 2007, o resultado não será deficitário. Como aconteceu no começo da década passada, a melhora na balança comercial será a principal justificativa para a rápida reversão na conta-corrente, já que serviços e renda são mais rígidos", diz o banco suíço.

Financiamento ao consumo lidera uso de recursos


HENRIQUE MANREZA/AGÊNCIA O DIA/AE/JC
Ex-ministro da Fazenda Bresser-Pereira tem visão crítica do déficit
O ex-ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser-Pereira tem uma visão bastante crítica do déficit em conta-corrente. Para ele, esse rombo reflete uma taxa de câmbio apreciada e se constitui em um mal maior a que países em desenvolvimento se submetem. "A minha visão é diametralmente oposta à posição corrente, de que o déficit seria uma coisa boa, uma forma de absorver poupança externa", afirma.
Na visão do economista, essa "poupança externa" não é usada para financiar investimentos, e sim consumo. Bresser argumenta que há uma elevada taxa de substituição da poupança interna pela externa.
Segundo o ex-ministro, quando esse capital entra no País, a taxa de câmbio se aprecia. Quanto mais apreciado o câmbio, menos os empresários são motivados a investir, já que seus produtos não são competitivos. "No ano passado, nós tivemos um déficit de 4,4% do PIB, e o crescimento brasileiro foi de apenas 0,1%. Isso confirma solenemente minha tese, porque tudo foi para consumo. Se tivesse ido para investimento, o PIB teria crescido."
Bresser acredita que a queda no déficit externo reflete um ajuste mais importante do que o fiscal: o ajuste nos preços relativos, que tornou as exportações brasileiras mais competitivas. Ele acredita que o Brasil deveria ter um resultado zerado nas transações correntes, que refletiria a taxa de câmbio no patamar chamado de "equilíbrio industrial", calculado por ele atualmente em torno de R$ 3,80.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Produtos da ceia de Natal têm alta de 16,12% em relação a 2014, diz FGV/Ibre Para Levy, dívida cresce em alta velocidade Para presidente da Febraban, 2016 será outro ano desafiador IGP-M na 1ª prévia de dezembro fica em +0,44%, revela FGV
O IGP-M é muito usado para reajustar o preço dos contratos de aluguel, o período de coleta de preços para cálculo do índice anunciado nesta quinta foi de 21 a 30 de novembro

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo