Porto Alegre, segunda-feira, 07 de dezembro de 2015. Atualizado às 17h16.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
28°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7580 3,7600 0,58%
Turismo/SP 3,6000 3,9600 0,50%
Paralelo/SP 3,6000 3,9600 0,50%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

energia 07/12/2015 - 18h13min. Alterada em 07/12 às 18h16min

'Energia elétrica no Brasil é muito cara', afirma secretário do MME

Marcelo G. Ribeiro/JC
Ventura ressaltou o aumento do custo do megawatt-hora

O secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura, afirmou que "a energia elétrica no Brasil é muito cara, principalmente, se comparada com o nível de renda da população". Ele participa nesta segunda-feira (7), de seminário promovido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) Energia.
Ventura ressaltou o aumento do custo do megawatt-hora (MWh) desde que as usinas térmicas passaram a ocupar o lugar da geração hidrelétrica, por causa da seca que atingiu os reservatórios e da resistência da sociedade à instalação de hidrelétricas na região Norte do País.
"O Brasil facilita a geração térmica e dificulta a hidrelétrica." Ele criticou, por exemplo, o prazo para a liberação do licenciamento ambiental da usina de Belo Monte, em construção no Rio Xingu. "Se o licenciamento ambiental de Belo Monte tivesse saído como planejou o governo, a usina estaria produzindo desde 2013 e o preço da energia estaria mais baixo. O mesmo processo está acontecendo hoje com Tapajós", afirmou.
Ventura também destacou que a infraestrutura do setor elétrico ainda está em construção, como a interligação das regiões, e que esses custos influenciam a tarifa de energia. "São investimentos significativos, mas importantes para garantir a segurança energética", afirmou.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Carga de energia cai 1,6% no acumulado de 12 meses até novembro
Carga de energia que circulou pelo SIN entre dezembro de 2014 e novembro deste ano atingiu patamar 1,6% inferior ao acumulado em período de 12 meses imediatamente anterior
Térmica de Charqueadas tem futuro ainda indefinido MME deve acatar decisão sobre caducidade de obras

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo