Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de julho de 2018.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Edição impressa de 23/11/2015. Alterada em 25/07 às 09h51min

Ícone de várias gerações, o Plic Plac está de volta

Grissini italiano está nas gôndolas do supermercado em duas versões

Grissini italiano está nas gôndolas do supermercado em duas versões


JOÃO MATTOS/JC
Após anos fora do mercado, o Plic Plac, um dos biscoitos mais tradicionais do Rio Grande do Sul está de volta às gôndolas. O produto, praticamente um ícone cultural do Estado, teve sua fabricação retomada pelo Grupo Zaffari, proprietário da marca, que terceirizou o processo com a padaria La Uruguaya, de Lajeado. Os grissinis italianos estão sendo vendido nos supermercados da empresa nas versões integral e, claro, tradicional - linha que, segundo o Zaffari, em breve deverá ser ampliada.
A retomada marca mais uma etapa na história do biscoito, criado em 1950 por Paschoal Longoni e João Klee em Porto Alegre. À época produzindo outros tipos de bolachas, ambos foram à Montevidéu para um congresso de panificação. Voltaram de lá com uma máquina, usada, que daria origem a toda a história. "O grissini fazia muito sucesso no Uruguai, e caiu no gosto popular aqui também", relembra o sucessor dos criadores, João Antonio Longoni Klee, que brinca sobre o que chama de uma "volta às origens" do Plic Plac, agora fabricado por uma empresa que leva o Uruguai em seu nome.
Ainda segundo Klee, o sucesso do Plic Plac deveu-se, também, à rede de distribuição que a família, então dona de diversos negócios na Capital, já mantinha por conta de outro produto seu, o Café Haiti. "Levávamos o café para todo Litoral, para o Interior, e junto nos caminhões ia o Plic Plac, que se difundiu rápido", continua Klee, que hoje administra a Confeitaria Haiti, no Centro de Porto Alegre. Ambos os produtos seriam vendidos ao grupo supermercadista em 1986, junto às máquinas e até à própria fábrica, localizada no bairro Anchieta.
Procurado, o Grupo Zaffari não entrou em detalhes sobre a operação, afirmando apenas que "acredita em um excelente desempenho do produto" e que, pelo retorno ainda muito recente, não tem dimensão do alcance que terá. O grupo porém destaca a força da marca, que "possui uma memória afetiva com forte significado junto ao consumidor".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia