Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de junho de 2018.
Dia do Aeroviário.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

inovação

Notícia da edição impressa de 09/11/2015. Alterada em 22/06 às 15h09min

SumUp aposta em serviços de pagamentos acessíveis

Clientes contam com dois planos, diz Marchesini

Clientes contam com dois planos, diz Marchesini


SUMUP/DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
Uma máquina de débito e crédito que se acopla ao celular e que pode ser adquirida pelos usuários a um custo muito inferior ao ofertado pelo mercado tradicional. Esse é o principal apelo da empresa alemã SumUp para conquistar os mini e pequenos empresários brasileiros. E parece que deu certo: em dois anos, já atingiu a marca de mais de 200 mil vendedores cadastrados nos seus serviços.
Para o diretor executivo da SumUp, Igor Marchesini, um dos maiores diferenciais do modelo de negócios da empresa é o fato de não cobrar aluguel pelo uso do equipamento. "O empresário compra a máquina a um preço bem acessível e, com isso, não precisa comprometer o seu caixa com o pagamento da mensalidade", diz, acrescentando que ele precisa pagar apenas um percentual pelas transações realizadas.
E ele mostra números para destacar que esse pode ser um bom negócio. Dados do Banco Central apontam que o custo do aluguel dessas máquinas tradicionais é de aproximadamente R$ 140,00. No caso da SumUp, o vendedor pode optar por dois modelos. O equipamento que só aceita a opção de crédito custa R$ 99,00, e o que vem com um teclado e permite transações de débito e crédito custa R$ 418,80 - valor que pode ser pago em 12 vezes.
Também foram criados dois planos. No Acelerado, o estabelecimento recebe o valor da compra em até cinco dias úteis, mesmo que para o seu cliente a venda seja parcelada. No modelo econômico, ele recebe em até 30 dias - nesse caso, ele paga taxas menores (3,1%, contra 4,6% do Acelerado).
Marchesini comenta que os planos foram pensados para serem muito transparentes e, assim, facilitarem o dia a dia dos empresários. Ele destaca ainda o fato de toda solução ter sido desenvolvida pela empresa - que está há dois anos no Brasil. "Desenvolvemos tanto a máquina como a plataforma de pagamento e o serviço de credenciamento e atendimento aos clientes. A gente controla toda a experiência e, por isso, o custo fica muito mais acessível", observa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia