A Guido começou a operar em janeiro com o objetivo de disseminar a cultura do café especial na cidade da Região Metropolitana

Cafeteria pet friendly abre em Canoas com foco nos cafés especiais


A Guido começou a operar em janeiro com o objetivo de disseminar a cultura do café especial na cidade da Região Metropolitana

Especializada em cafés especiais, a Guido é novidade no setor gastronômico de Canoas. A cafeteria, que começou a operar há pouco mais de duas semanas, tem como objetivo disseminar a cultura dos cafés especiais - definição técnica para grãos de alta qualidade - na Região Metropolitana. Comandado por Amanda Treter, Marcus Oliveira e Sônia Treter, o negócio, que homenageia em seu nome o cachorro da família, é pet friendly e conta com uma biblioteca colaborativa. 
Especializada em cafés especiais, a Guido é novidade no setor gastronômico de Canoas. A cafeteria, que começou a operar há pouco mais de duas semanas, tem como objetivo disseminar a cultura dos cafés especiais - definição técnica para grãos de alta qualidade - na Região Metropolitana. Comandado por Amanda Treter, Marcus Oliveira e Sônia Treter, o negócio, que homenageia em seu nome o cachorro da família, é pet friendly e conta com uma biblioteca colaborativa. 
A recém-inaugurada operação, no entanto, não é a primeira experiência do trio no empreendedorismo. Amanda conta que ela e sua mãe, Sônia, sempre tiveram o desejo de comandar uma cafeteria por amarem a bebida. Assim, em 2022, as duas, ao lado de Marcus, marido de Amanda, abriram uma franquia. "Foi um período de muito aprendizado", define Amanda sobre a experiência, que durou cerca de um ano e meio.
Foi justamente à frente de uma franquia, percebendo as especificidades do modelo, que eles começaram a desenvolver a marca própria. Os sócios avaliaram que o sistema da marca que comandavam, focado no take away, não era o ideal para o espaço amplo que tinham e também não atendia às demandas da região. "Estamos em um bairro superresidencial. Então, o formato da nossa loja não batia muito. E nós gostamos muito de provar cafés diferentes, e percebemos que as pessoas não tinham esse interesse como a gente esperava. Tivemos que estudar para caramba para desenvolver um formato que fosse legal", pontua Amanda. 
ISADORA JACOBY/ESPECIAL/JC
Assim, em maio de 2023, começaram a desenvolver a marca. "A Guido reuniu várias coisas que gostamos em um único espaço", pontua a empreendedora, destacando que o foco é fortalecer o mercado de cafés especiais na cidade. "Estamos tentando desbravar. Percebemos que muitas pessoas saem de Canoas para tomar café em Porto Alegre", conta. Para isso, o cardápio do espaço conta com ilustrações dos métodos de filtragem, a fim de instruir os clientes. "Nos voltamos para uma questão mais de ensinar a beber café", conta.
No cardápio, é possível encontrar desde os preparos mais conhecidos, como espresso e capuccino, aos métodos de filtragem, como V60, prensa francesa e AeroPress. Nas comidas, a proposta é levar referências caseiras, pensadas para diferentes momentos do dia. "Quando pensamos na persona da nossa marca, ela é uma pessoa que conhece muitos lugares, tem muitas referências, mas ela acredita que o melhor lugar é a casa dela. O cardápio tem essa pegada afetiva", contextualiza Amanda, destacando as referências dos sócios. "O Marcus é paulista, então temos a parte da padoca, que tem o pão na chapa. Temos o bolo do dia, que é um bolo grande com várias fatias. A ideia é ser simples, mas bem gostoso e com um pouco de sabor de casa", afirma.  O espaço também conta com opções para happy hour, como os drinks à base de café, e pratos para almoço executivo. 
ISADORA JACOBY/ESPECIAL/JC

Diferenças entre empreender com franquia e marca própria

Avaliando a experiência de comandar uma franquia e a marca própria, a empreendedora destaca que é preciso entender o que é mais compatível com o perfil de quem vai tocar o negócio. "Acredito que a franquia é bacana se tu queres ter um negócio e não sabes como começar. Se queres fazer uma transição de carreira, franquia é legal para isso", pondera Amanda. "Ao mesmo tempo, te limita muito. Uma franquia precisa ser igual no Brasil todo, mas os públicos são diferentes. Já na marca própria, tem essa liberdade para fazer adaptações. Consegue ajustar o cardápio conforme os teus custos", pontua. "A gente está achando tudo muito divertido. Pensar a marca é um processo muito legal", avalia. 
O tempo de obra para transformar a franquia em marca própria foi de um mês. A empreendedora revela que os sócios tiveram receio de perder a clientela fiel, medo que não se concretizou. "Percebemos que, apesar de sermos franquia, os nossos clientes eram nossos. Estamos todos os dias aqui, as pessoas criaram uma relação com a gente. Então, essa transição foi muito mais fácil", considera. 
A transformação de franqueada em empreendedora à frente da marca própria também foi espelhada no conceito do negócio, que Amanda define como um café vira-lata. "Estamos num momento de abertura de muitas franquias, que brincamos que são os cafés com pedrigee, e a gente quer ir na contramão. Queremos ser um café vira-lata", explica a empreendedora. Para ela, o negócio é mais que uma cafeteria, é um lifestyle. Para difundir essa proposta, a operação comercializa grãos de cafés e chás para o cliente levar para casa, além de outros itens como ecobags e canecas. 
ISADORA JACOBY/ESPECIAL/JC

Informações gerais sobre a Guido

Em soft opening, a Guido opera de segunda a sexta-feira, das 10h às 18h. Aos sábados, o funcionamento é das 14h às 18h. Para o futuro, os sócios planejam abrir um domingo do mês para brunch. A cafeteria fica na rua Dr. Sezefredo Azambuja Vieira, nº 1684, no bairro Marechal Rondon, em Canoas.
ISADORA JACOBY/ESPECIAL/JC