RedaçãoE

Há 37 anos no mercado, a Tradição Gourmet aposta na DeCacau, braço voltado ao consumidor final criado em 2020

Tradicional marca de chocolates projeta investimento de R$ 12 milhões em nova fábrica em Gramado

RedaçãoE

Há 37 anos no mercado, a Tradição Gourmet aposta na DeCacau, braço voltado ao consumidor final criado em 2020

Giovanna Sommariva e Isadora Jacoby, de Flores da Cunha
Giovanna Sommariva e Isadora Jacoby, de Flores da Cunha
 Criada em Flores da Cunha há 37 anos, a Tradição Gourmet, indústria de chocolates com foco em food service e B2B, celebra a conquista de novos mercados e projeta expansão. Desde 2020, a marca aposta na DeCacau Chocolates, braço voltado para o consumidor final. As primeiras lojas no formato foram inauguradas em Caxias do Sul e Canela. Neste ano, a rede abriu unidades próprias em Lajeado, Porto Alegre e Passo Fundo e se prepara para abrir uma nova operação em Erechim. Além das lojas para contato com o consumidor, a indústria se prepara para uma ampliação em sua planta fabril, com uma nova unidade em Gramado. 
 Os irmãos Aureo Romanzini, diretor da DeCacau Chocolates, e Andreia Romanzini, diretora administrativa, contam que a inspiração para manter um negócio por tantos anos no mercado vem de sua mãe. Costureira, ela criou os filhos, construiu a casa da família, com os ganhos de seu negócio. Essa veia empreendedora inspira a dupla a sempre reinventar o negócio. "Nossa vida sempre foi um desafio. O empresário, todo dia, tem um desafio, na questão do mercado, de pessoas, tem a questão econômica, burocrática. Vem do sangue ser empreendedor. Isso nos motiva", garante Aureo. 
Com plantas fabris em Flores da Cunha e Gramado, a Tradição Gourmet se consolidou no mercado de food service, com itens que são utilizados como insumos para outros produtos. Agora, o diretor revela que a previsão é aumentar a capacidade do negócio, que atualmente produz cerca de 30 toneladas por mês. Uma nova planta será instalada em Gramado entre de 2023 e 2024, com previsão de investimento de R$ 12 milhões. "Toda linha de páscoa de 2024 será produzida nesta nova planta", projeta Aureo. 
Elisa Assmann/Divulgação/JC
Mas o investimento na indústria não é o único passo da marca, que deve fechar 2022 com cinco novas lojas da rede DeCacau no Rio Grande do Sul e outras oito no estado de São Paulo. As unidades, próprias, contam com investimento de cerca de R$ 300 mil por loja. A ideia, revela Andreia, é que no futuro a marca atue como franquia e que essas unidades funcionem no franchising também. "Sabemos que é um desafio bem grande a partir de agora essa expansão, porque estamos em contato direto com o consumidor final e ele precisa identificar a marca. Temos ciência que o nosso produto é de grande qualidade, sabemos que ele vai ser bem aceito no público final. O que muda para nós é estar de frente. Até então, nós estávamos ocultos do consumidor final, hoje, estamos juntos", pondera Andreia. "Acreditamos que a loja própria é muito boa no sentido de entender o mercado, mas queremos proporcionar crescimento em cima de franquias porque vamos unir forças com empreendedores", acredita Aureo. Com as inaugurações, a DeCacau prevê faturamento de R$ 80 milhões para 2023, um crescimento de 25% nas vendas na comparação com 2022.
O diretor ressalta que esse novo momento da marca ajuda, inclusive, na parte da produção. "Conversar com o cliente, entender o paladar. Isso muda bastante até na fonte, onde se produz", destaca. Andreia pontua que, neste momento, é preciso pensar na entrega, e não somente no produto. "O consumidor final não quer consumir por simplesmente comprar um doce, ele quer ter a sensação, a vivência. Então, aqui na nossa loja, além de ter produto de ótima qualidade, procuramos levar a experiência de um produto selecionado, da sensação de provar um chocolate 85% cacau, a diferença de um floral para o bean to bar. O cliente pode sentir o aroma e degustar o produto", diz a diretora administrativa. 
O segredo para se manter há tantos no mercado, garante Aureo, é acreditar no produto. O empreender diz que o poder do chocolate é uma fonte de inspiração para o negócio. "O que nos encanta no chocolate é o que ele traz para as pessoas. Todo mundo que come um chocolate, come alegria. O chocolate é uma satisfação", acredita. "É sinônimo de felicidade", completa Andreia. Além de enxergar o potencial do produto chave do negócio, ambos destacam que é preciso manter a motivação e acreditar nas pessoas. "Todo dia tem que acordar com vontade de tocar o projeto. Isso é identidade. É isso que vamos transparecer para todos que estão juntos conosco. Enquanto tivermos o carinho pela empresa vamos crescer. Somos apaixonados pelas pessoas que trabalham aqui", orgulha-se Aureo.
Elisa Assmann/Divulgação/JC
Um dos exemplos da relação com a equipe é a chocolatier Camila Santos, que celebrou, neste ano, 20 anos de carreira. Natural de Gravataí, Camila é o rosto por trás das invenções da marca. Desde 2016 fazendo parte da Tradição Gourmet, a chef aceitou o desafio de comandar a produção dos doces para a DeCacau Store, e garante que, desde então, o sentimento é de gratidão. "Tive a oportunidade de sair do segmento de Gramado e trazer essa essência para Flores da Cunha, sou muito grata por vestir essa dólmã aqui, é a minha roupa de gala", afirma. Camila foi a segunda mulher chocolatier a fazer parte da Federazione Italiana Cuochi (FIC), instituição de gastronomia italiana que conta com nomes como Henrique Fogaça e Diego Koppe.
Ver o desenvolvimento de pessoas como Camila é, segundo Andreia, a essência da empresa. "Mais que números, gostamos de resultados em pessoas, em formação, concretização. Incentivamos muito as pessoas a se aperfeiçoarem, isso está na nossa essência. É isso que a gente quer para a DeCacau, que as pessoas estejam aqui, façam parte e cresçam juntos", afirma. 
 
 
 
RedaçãoE

RedaçãoE

RedaçãoE

RedaçãoE

Leia também

Deixe um comentário