Mauro Belo Schneider

Embora os moradores do bairro atribuam suas conquistas à loteria, a dona de diversos negócios na Zona Sul trabalha desde nova

Ex-faxineira vira uma das maiores empreendedoras de Porto Alegre

Mauro Belo Schneider

Embora os moradores do bairro atribuam suas conquistas à loteria, a dona de diversos negócios na Zona Sul trabalha desde nova

A explicação mais simples que os moradores do bairro Tristeza, na zona sul de Porto Alegre, encontram para o sucesso da ex-faxineira que até hoje não sabe ler nem escrever, mas que é dona de mais de 20 imóveis na região e de vários negócios, é mencionar o boato de que ela ganhou na loteria. Mas isso é uma meia verdade.

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

A explicação mais simples que os moradores do bairro Tristeza, na zona sul de Porto Alegre, encontram para o sucesso da ex-faxineira que até hoje não sabe ler nem escrever, mas que é dona de mais de 20 imóveis na região e de vários negócios, é mencionar o boato de que ela ganhou na loteria. Mas isso é uma meia verdade.
Maria Clara Muterle Carnaval, 62 anos, mais conhecida como Gringa, de fato, tem uma história com jogos de sorte. Seu marido, ex-motorista do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), Dulcimar Antônio Carnaval, participou de um bolão premiado com amigos há 30 anos. O valor que ficou para ele, no entanto, serviu apenas para que Gringa quitasse as três prestações da casa que faltavam. Tudo que ela conquistou é fruto de muito trabalho, e que ainda não se encerrou.
A empreendedora é vista diariamente no restaurante que mantém há 40 anos na rua Doutor Dias de Carvalho, nº 263. “Até hoje, sou eu a que mais funciona na cozinha”, orgulha-se. E não é só na cozinha. Se precisa consertar alguma coisa no telhado ou lavar as telhas, é ela quem sobe e faz o serviço.
ANDRESSA PUFAL/JC
“Se pegar alguém vou gastar para não fazerem bem. Até que eu vá ensinar, faço”, justifica. “Não tenho medo de nada”, emenda.
Atualmente, Gringa administra, além do restaurante, uma franquia da pizzaria Arroba e a lancheria Estância do Xis. Uma das filhas, Marilyn, ficou com a clínica de estética Vittá e a outra, Denise, com a lotérica do Zaffari da avenida Otto Niemeyer.
Desde cedo, o empreendedorismo faz parte da vida da menina nascida em Antônio Prado, onde tem, ainda, uma cantina. Para ajudar a família, vendia mandolate na estrada. Ao se mudar para a Capital com o marido, começou a fazer faxina. Até que o irmão, na época, ofereceu que ela comercializasse vinhos. E disso veio todo resto.
Arquivo Pessoal/Divulgação/JC
No endereço que abriga até hoje seu restaurante, a venda das bebidas deu lugar a um bar. A esposa de um cliente cadeirante que o deixava o dia inteiro ali, involuntariamente, foi responsável por transformar o empreendimento. Com pena do homem, Gringa lhe servia almoço. Outras pessoas começaram a ver e pedir também, atraídas pelo mesmo cheiro de comida caseira característico do buffet que agora ocupa o local.
Arquivo Pessoal/Divulgação/JC
Não havia sequer mesa para atender a demanda que surgia, mas Gringa empilhava as caixas de cerveja e dava um jeito para equilibrar os pratos. Com isso, vendia erva-mate no Mercado Público, que levava nas costas, já que não tinha carro. “O sucesso rendeu problemas na coluna e um ombro operado”, brinca Marilyn, sobre todas as empreitadas da mãe.
Gringa diz que nunca perdeu dinheiro com um negócio seu, apenas emprestando para os outros. Além disso, lembra que o primeiro rancho que fez na vida em um supermercado foi com a quantia que arrecadou ao passar seu sapato de noiva no dia do casamento. Afinal, o que Dulcimar ganhava dava somente para pagar o aluguel e comer.
Arquivo Pessoal/Divulgação/JC
Das lições que ficam sobre ter vários negócios em um mesmo bairro, Gringa cita o fato de poder acompanhar a rotina de cada um deles. “Não me passa na cabeça comprar algo longe de casa. Tenho que enxergar todo dia”, afirma uma das empreendedoras mais diversificadas da cidade, e que, mesmo assim, nunca havia sido citada em um jornal.
Para ela, o bairro Tristeza está cada vez melhor, o que a motiva a pensar em novos empreendimentos na área de esportes e de entretenimento. A ideia é trabalhar menos e ganhar mais. A dúvida é saber se ela conseguirá cumprir a primeira parte do objetivo.
ANDRESSA PUFAL/JC
Mauro Belo Schneider

Mauro Belo Schneider - editor do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Mauro Belo Schneider

Mauro Belo Schneider - editor do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário