Mauro Belo Schneider

André Boaventura, sócio do Ebanx, palestrou no Startup Day, do Sebrae-RS

Como se tornar uma startup unicórnio?

Mauro Belo Schneider

André Boaventura, sócio do Ebanx, palestrou no Startup Day, do Sebrae-RS

Unicórnio é uma startup com avaliação de mercado no valor de mais de US$ 1 bilhão. No mundo, estima-se que existam 362, enquanto no Brasil, 10. Porto Alegre recebeu três delas na última quinta-feira, no NAU Live Spaces, durante o Startup Day, evento promovido pelo Sebrae-RS. André Boaventura é sócio do Ebanx, marca que conquistou o título em outubro passado. O negócio faturou R$ 600 mil em seu primeiro ano (2012) e, em 2019, essa crifra atingirá R$ 600 milhões. Basicamente, a empresa cria boletos para sites internacionais, uma forma de pagamento, praticamente, exclusiva na cultura latina, segundo ele. Entre as contas que o Ebanx atende, estão AliExpress, PlayStation, Spotify, Airbnb e Uber. A companhia deve movimentar R$ 11 bilhões em 2019 e prevê R$ 20 bilhões em 2020. Na conversa a seguir, ele fala qual a receita para uma startup virar um unicórnio. De camiseta e calça jeans, ele adianta, com toda a simplicidade: "não existe fórmula".

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

Unicórnio é uma startup com avaliação de mercado no valor de mais de US$ 1 bilhão. No mundo, estima-se que existam 362, enquanto no Brasil, 10. Porto Alegre recebeu três delas na última quinta-feira, no NAU Live Spaces, durante o Startup Day, evento promovido pelo Sebrae-RS. André Boaventura é sócio do Ebanx, marca que conquistou o título em outubro passado. O negócio faturou R$ 600 mil em seu primeiro ano (2012) e, em 2019, essa crifra atingirá R$ 600 milhões. Basicamente, a empresa cria boletos para sites internacionais, uma forma de pagamento, praticamente, exclusiva na cultura latina, segundo ele. Entre as contas que o Ebanx atende, estão AliExpress, PlayStation, Spotify, Airbnb e Uber. A companhia deve movimentar R$ 11 bilhões em 2019 e prevê R$ 20 bilhões em 2020. Na conversa a seguir, ele fala qual a receita para uma startup virar um unicórnio. De camiseta e calça jeans, ele adianta, com toda a simplicidade: "não existe fórmula".
GeraçãoE - Como uma startup se torna um unicórnio?
André Boaventura - Uma das primeiras receitas é não tentar virar unicórnio, e sim ter isso como uma consequência. O capital para startups, hoje, está muito aquecido, então, tem muita gente que já nasce com investimento. Uma das coisas que fez diferença no Ebanx é não olhar para isso. Nos primeiros cinco anos de empresa, não tivemos nenhum investimento. Pagamos todas as contas com o dinheiro que a gente gerava com o próprio faturamento. Isso fez com que o foco ficasse no cliente. Quando tivemos rodadas de investimento, mais maduros, o dinheiro serviu para ampliar e acelerar o que a gente estava fazendo. E não para pagar as contas e sobreviver.
GE - O que significa estar entre as 10 empresas brasileiras bilionárias?
André - É um privilégio fazer parte de um clube de empresas que está mudando muitas coisas, mas ser um unicórnio significa que a sociedade reconhece que você está mudando problemas grandes. Os investidores, por outro lado, acreditam que você vai crescer ainda mais.
GE - Fale um pouco sobre a história do Ebanx.
André - O Ebanx tem sete anos. A maior parte das pessoas no Brasil não tem um cartão internacional, não tem acesso à comprar coisas de sites de fora do País. Com o mundo ficando cada vez mais global, você compra da China, dos Estados Unidos, e havia essa barreira. O Ebanx nasceu, portanto, colocando boletos em sites internacionais. O primeiro famoso foi o AliExpress.
GE - A cultura do boleto é nossa?
André - Sim, boleto é uma coisa totalmente brasileira. Mas agora, com qualquer tipo de cartão brasileiro, você compra num site norte-americano, europeu, chinês. E com parcelamento! Geramos essa operação de câmbio e o dinheiro chega nos sites de fora. É uma operação conveniente para o brasileiro e para a empresa estrangeira, que recebe em dólar.
GE - Como vocês captam essas empresas?
André - O nosso modelo de negócio é único. Algumas empresas muito grandes vieram até nós pois éramos os únicos que conseguíamos resolver os problemas. Temos a missão de contar para o mundo que a América Latina tem muito potencial consumidor. Não competimos com outras empresas e sim com países. Em vez de uma marca global expandir para a África do Sul, para o leste europeu ou à Rússia, queremos que escolham o Brasil, o México ou a Colômbia, e entendam que existe 600 milhões de pessoas aqui, em um mercado aquecido.

Quais são os unicórnios brasileiros?

99
O que faz: App de transporte
PagSeguro
O que faz: Meios de pagamento
Nubank
O que faz: Cartão de crédito e serviços financeiros
Stone
O que faz: meios de pagamento
iFood/Movile
O que faz: delivery de comida
Loggi
O que faz: entregas
Gympass
O que faz: serviço de assinatura de academias e atividades físicas
QuintoAndar
O que faz: aluguel de residências
Ebanx
O que faz: processa pagamentos
Arco
O que faz: sistema de ensino 

O evento

Idealizado pelo Sebrae, o Startup Day teve 15 palestras com especialistas em negócios disruptivos, investidores e empresas que conquistaram espaço no mercado da inovação. Entre os palestrantes, o ex-goleiro e embaixador da Chapecoense, Jakson Follmann, falou sobre recomeços.

Mauro Belo Schneider

Mauro Belo Schneider - editor do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário