JC homenageia os dez empreendedores mais populares do GeraçãoE em 2018. JC homenageia os dez empreendedores mais populares do GeraçãoE em 2018 Foto: /MARCO QUINTANA/JC

As pessoas por trás dos negócios que mais bombaram em 2018

Como acontece todo ano no GeraçãoE, chamamos os empreendedores e empreendedoras por trás dos 10 negócios que mais geraram audiência em nossos canais digitais ao longo do ano. A diversidade de estilos reflete, também, a diversidade das empresas. De roupas africanas a um castelo medieval no Zona Sul de Porto Alegre, veja como estão os projetos que chamaram atenção do público.

Ana Beatriz Appel, da Joy Storm Pub
LUIZA PRADO/JC
O Pub com temática da Idade Média inaugurou em fevereiro, na zona sul de Porto Alegre. De acordo com Ana Beatriz, durante o ano houve alguns percalços no negócio em relação à licença (perdeu o alvará por cinco vezes, por causa de reclamações de vizinhos). No entanto, enfatiza que agora está tudo certo. A empreendedora ressalta que depois da matéria do GeraçãoE foi procurada por outros veículo. “O Jornal do Comércio foi sem dúvida o que mais deu retorno e mais as pessoas comentaram”, avalia. Para 2019, ela, que classifica o negócio como uma casa cultural, espera que a cultura se afirme na zona sul.
Alex Cardoso, da Maria Passadeira
JONATHAN HECKLER/JC
Mesmo tendo sido pauta do GE há três anos, a reportagem da Maria Passadeira continua figurando na lista das mais lidas do site. Alex atribui o alcance ao, talvez, avanço da marca para outras zonas da Capital- já que antes se focava apenas na zona sul. “As pessoas devem ver o nosso negócio e procurar em site de busca, encontrando a matéria do GE no topo”, aposta. “Nós já estamos com o modelos de franquias estruturado. Atenderemos Porto Alegre numa fatia muito maior que atendemos hoje e devemos ir para todo o Brasil”, projeta o empreendedor para 2019.
Suellen Ribeiro, do Studio Suellen Ribeiro Design
Su Ribeiro/Divulgação/JC
Suellen é conhecida dos gaúchos. Foi apresentadora do Studio Pampa, extinto programa de entretenimento, até que sentiu vontade de vivenciar outro ramo e se especializou na área da Arquitetura e Design (o escritório atende hoje o Brasil inteiro). Ela considera que a matéria do GE ajudou o público em geral a desvencilhar o nome dela com o segmento de lazer. “O Jornal do Comércio tem muita credibilidade e isso vejo como maneira positiva”, elogia. Depois da reportagem, foi convidada inclusive para ministrar uma palestra na Associação de Jovens Empreendedores de Porto Alegre (AJE POA). Ao lado das duas irmãs, Suellen criou também a Suelen Ribeiro Couros, marca que tem como matéria-prima couros exóticos.
Daniella D’Ávila, do Mad’am Parlour
MADAM/DIVULGAÇÃO/JC
A primeira matéria do salão de beleza feminista Mad’am Parlour, de acordo com Daniella, foi a realizada pelo GeraçãoE. Assim como com outros empreendedores que ficaram no top 10 das mais lidas do caderno, outros veículos de comunicação procuraram noticiar o estabelecimento posterirormente. Desde então, o local passou a fazer eventos para reunir outras empreendedoras. “As nossas expectativas para 2019 é quais mulheres conheçam o salão, mais mulheres tragam seus negócios para os seus bazares, feiras e que o empreendedorismo feminismo continue ganhando espaço no Jornal do Comércio”, deseja para o próximo ano.
Vitória Sue Tashima Lange, do Suika
FREDY  VIEIRA/JC
O Suika, restaurante japonês na rua São Luiz, ganhou destaque em 2018 com o seu “burrito sushi”. Vitória Sue Tashima Lange, dona do estabelecimento, conta que a ideia foi uma alternativa para ganhar destaque em meio a tantos outros restaurantes que servem comida japonesa em Porto Alegre. “Com a matéria do GE, uma galera foi conhecer o restaurante”, conta Sue que em 2019 vai expandir o número de sabores de sushis do cardápio e também reforçar o conceito “take away” - levar a comida para comer em qualquer lugar - aderindo a aplicativos de entrega. 
Roberta Verbist, da Somos Lares
FREDY VIEIRA/JC
“Mostrar que o imóvel tem uma história para ser contada e uma para ser vivida”, é como Roberta Verbist, sócia da Somo Lares, define o projeto de curadoria imobiliária. A matéria do GE, publicada em maio, trouxe mudanças para a empresa: um leitor gostou tanto da ideia do projeto que entrou em contato e passou a integrar a equipe da Somos Lares. Para 2019, o objetivo é reforçar o conceito de curadoria como diferencial no mercado imobiliário. 
Mariana Keller, do Santa Fermata
MARCELO G. RIBEIRO/JC
Os últimos meses de 2018 foram muito especiais para Mariana Keller, proprietária do Santa Fermata Cafè & Vino. O café, localizado na rua Santa Terezinha, nº 29, inaugurou há apenas dois meses, mas já faz planos para 2019. No próximo ano, Mariana pretende iniciar o projeto de castração de animais de rua. Parte da renda do café é destinada para a causa animal, temática que inspirou Mariana a abrir o Santa Fermata. Após a publicação do GE, a casa próxima ao Parque da Redenção passou a receber mais clientes. “O GeraçãoE foi o primeiro a nos procurar. Em seguida, outras emissoras nos procuraram e ganhamos um espaço muito legal. O GE trouxe muito retorno para a gente”. 
Patrícia Turmina e Luis Fernando Turmina, do Royal Trudel
MARCO QUINTANA/JC
“Foi um ano de muito aprendizado”, relata Patrícia Turmina que abriu em 2018, junto com o irmão Luis Fernando Turmina, a empresa Royal Trudel, especializada em um doce típico europeu. A ideia de trazer o produto para o Brasil veio dos pais; a partir disso, os irmãos iniciaram a produção do trudel, que parece com um pão doce, coberto com canela e que pode ser recheado com o que o cliente desejar. Apostar em um novo produto nem sempre é fácil e, por isso, Patrícia e Luis Fernando fecharam duas lojas este ano. Eles definem que estão em uma “curva de aprendizado”, mas que hoje já têm pré-requisitos para escolher os pontos onde vão abrir as suas lojas.. Apesar da pressa para expandir os negócios, Patrícia diz que estão mais cautelosos. Mesmo assim, somente nesta semana, cinco novas unidades foram inauguradas, fechando o ano com 16 lojas, entre franquias e espaços próprios.
Agossou Djosse Ignace Kokoye, da Consone
LUIZA PRADO/JC
“Abrimos há seis meses, mas parece que faz cinco anos”, conta Agossou Djosse Ignace Kokoye, conhecido como Kadi, sobre a repercussão da marca de roupas africanas Consone. A matéria, publicada em junho no GE, abriu espaço para Kadi e para a sócia Iyá Inajara T’Yemonjá. Ele conta que muitos veículos procuraram a Consone para conhecer mais o trabalho que traz um pouco da atmosfera da moda africana para o Rio Grande do Sul. A nova coleção foi fotografada com modelos acima dos 50 anos, o que provocou ainda mais movimentação em torno das peças. A Consone encerra o ano de casa nova: o novo espaço da marca fica na Rua Riachuelo, 1604. Para 2019, Kadi pretende investir ainda mais na variedade de looks e também aproximar a marca de influenciadores digitais.
Paulo Brito, da Central de Imprensa Paulo Brito
Instagram/Divulgação/JC
O ano foi movimento para Paulo Brito. Após 40 anos trabalhando em televisão, o narrador decidiu empreender. No verão, Brito inaugurou a Central de Imprensa, em Capão da Canoa. Equipada com estúdios de rádio e TV, a casa recebeu jornalistas que estavam trabalhando no litoral. Quando conversamos com Brito, em fevereiro, a ideia era estender o negócio e abrir uma Central de Imprensa em Gramado, durante o inverno. Essa proposta, no entanto, não foi adiante; segundo o ex-apresentador, o mercado da serra já era mais estruturado por ser uma das cidades com maior potencial turístico do Brasil, não precisando de divulgação. Apesar de ainda receber convites de emissoras, Brito diz que não deseja deixar de empreender para voltar a atuar em um veículo. A paixão pelo esporte segue presente nas suas redes sociais, onde faz transmissões ao vivo de jogos de futebol e futsal e também transmite o programa Chimarrão do Paulo Brito. A Central de Imprensa para o verão de 2019 ainda está em fase de estruturação e deve ser construída na praia de Atlântida.
Compartilhe
Seja o primeiro a comentar

Publicidade
Texto relacionados
geração experimenta
GeraçãoExperimenta
GeraçãoExperimenta
SUSTENTABILIDADE
EMPREENDEDORISMO NA PERIFERIA