Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de agosto de 2019.
Dia da Conscientização sobre a Esclerose Múltipla.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 30/08/2019.
Alterada em 30/08 às 08h47min
COMENTAR | CORRIGIR

Agtech faz ponte entre produtores e startups

Gustavo Cynowec (e) e Leonardo Vega (d) são veterinários e empresários

Gustavo Cynowec (e) e Leonardo Vega (d) são veterinários e empresários


/JACKSON CICERI/ESPECIAL/JC
Giana Milani
Aliar a tecnologia ao campo é o lema da brStart, empresa que busca conectar produtores do agronegócio a soluções desenvolvidas no Brasil e no exterior. Os empreendedores Gustavo Cynowiec e Leonardo de La Vega são veterinários e atuaram por quase duas décadas no segmento, com passagens no setor de inovação de grandes companhias de alimentos de origem bovina.
"Existe de um lado uma demanda cada vez maior por tecnologia e de outro empresas desenvolvendo tecnologias que querem entrar nesse mercado, e é aí que nós posicionamos", justifica Leonardo. "Mesmo aceleradoras, investidores, necessitarão de profissionais especializados para ajudar a penetrar no mercado. Por isso a brStart existe", acrescenta. A dupla cita o network conquistado em 19 anos de atuação como um diferencial.
O negócio, criado em 2017, possui matriz em São Paulo e sede em Porto Alegre. A convite do Sebrae-RS, esta é a primeira vez que a agtech participa da Expointer. "Estamos aproveitando para lançar dois produtos de parceiros", relata Leonardo. Uma das propostas é uma seringa inteligente, desenvolvida por uma empresa argentina, que controla resíduos de medicamentos em bovinos e suínos. Ela monitora a quantidade, o tipo de produto aplicado e o tempo de carência. Essas informações são hospedadas em um aplicativo. "Assim, é possível ter uma boa gestão. Essa nova geração que está vindo no campo quer soluções", avalia.
Já a segunda é uma alternativa segura para o transporte de bovinos, criada por uma parceira uruguaia. "Com isso, garantimos o bem-estar do animal e a redução de perdas relacionadas. O transporte é um elo importante na cadeia produtiva", explica. A instalação do sistema de anteparos, feito em material ecológico, pode ser realizada na caçamba de um caminhão usado. "O investimento é muito menor, pois não preciso mudar o caminhão. Essa tecnologia foi concebida para bovinas, mas com possibilidade real de extrapolar isso para outros animais, como suínos e equinos", destaca o veterinário.
Gustavo também salienta que a brStart tem conhecimento de problemas reais nas diversas culturas do agro e que estabelece conexões entre as indústrias e produtores. "Temos um mapeamento. Fazemos ajustes de problemas que realmente existem e não do que pensavam que existiria. Com isso, não precisamos desenvolver a tecnologia, mas sim servir de ponte", expõe Gustavo.
 

GeraçãoE promove evento sobre a importância das pausas no dia a dia

Palestra, que envolveu conversa sobre yoga e meditação, aconteceu na Casa JC na Expointer
Palestra, que envolveu conversa sobre yoga e meditação, aconteceu na Casa JC na Expointer
/JACKSON CICERI/ESPECIAL/JC

A jornalista Luciana Bueno e o empreendedor Moysés Costa promoveram na Casa JC, na Expointer, um evento em parceria com o GeraçãoE para falar sobre a importância das pausas no dia a dia nesta quinta-feira (29). Luciana também é professora de yoga e Moysés pratica meditação, atividade que virou adepto após sofrer um infarto que o deixou 15 dias na UTI.

"A meditação gera uma quebra de rotina. Ajuda a nos deixar mais alertas", percebe Moysés. Ele gerencia mais de 30 pessoas na sua empresa Ondaweb. "Yoga é uma arte milenar, mas a trajetória ainda é muito recente no Ocidente", expõe Luciana, responsável pelo projeto Com.Fiar, no qual são utilizadas técnicas de comunicação aliadas ao autoconhecimento.

A dupla concorda que o termo meditação ainda distancia as pessoas da prática, mas ressalta que o ato de silenciar desperta a criatividade dos profissionais. "As demandas do cotidiano estão nos robotizando", analisa Luciana.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia