Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Notícia da edição impressa de 27/04/2018. Alterada em 26/04 às 21h12min

Preços de produtos industriais sobem em 21 atividades, diz IPP

Ramo extrativista liderou a maior variação com elevação de 4,37%

Ramo extrativista liderou a maior variação com elevação de 4,37%


/CRM/DIVULGAÇÃO/JC
Os reajustes disseminados nos preços dos produtos industriais na porta de fábrica resultaram na alta de 1,05% registrada pelo Índice de Preços ao Produtor (IPP) de março, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre as 24 atividades industriais pesquisadas, 21 apresentaram aumentos de preços no mês.
As quatro maiores variações foram observadas entre os produtos das indústrias extrativas (4,37%), outros produtos químicos (2,86%), metalurgia (1,56%) e confecções de artigos do vestuário e acessórios (1,31%).
Em termos de influência, as contribuições de maior magnitude para a inflação do setor foram de outros produtos químicos (0,28 ponto percentual), alimentos (alta de 1,13% e impacto de 0,21 ponto percentual), indústrias extrativas (0,18 ponto percentual) e metalurgia (0,13 ponto percentual).
 

Confiança da indústria medida pela FGV cai 0,7 ponto em abril

A confiança da indústria recuou 0,7 ponto em abril de 2018, para 101,0 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas. Na métrica de médias móveis trimestrais, o índice, porém, segue em alta, alcançando também 101 pontos, mas 0,5 ponto acima do nível de março.
A coordenadora da pesquisa na FGV, Tabi Thuler Santos, avaliou que essa queda da confiança após nove altas consecutivas não é suficiente para alterar a trajetória da confiança industrial. "O índice permanece acima dos 100 pontos, indicando prevalência de respostas favoráveis e otimistas na pesquisa." Ela ainda afirmou que o setor parece reagir ao ritmo mais lento do que o esperado na recuperação da economia e ao aumento de incerteza associado à proximidade das eleições.
O recuo foi observado em nove dos 19 segmentos industriais e no Índice de Expectativas (IE) e de Situação Atual (ISA). O IE teve queda mais forte, de 1,3 ponto, atingindo 101,5 pontos, já o ISA caiu 0,1 ponto, para 100,5 pontos, o que Tabi considerou como estabilidade.
A principal contribuição para o declínio do índice de expectativas foi a evolução do pessoal ocupado nos três meses seguintes, que registrou queda após duas altas consecutivas. Houve redução da proporção de empresas prevendo aumento do quadro de pessoal (22,6% para 18,6%) e elevação da fatia que espera cortes de funcionários (9,5% para 11,5%).
Já o único componente do ISA que registrou recuo foi o nível de estoques, e, mesmo assim, a FGV avaliou que não foi um aumento relevante de produtos em excesso. O percentual de empresas que consideram o nível de estoques como excessivo passou de 8,1% para 8,3% entre março e abril, enquanto os empresários que o consideram insuficiente caiu de 5,5% para 4,5%.
O quadro positivo da situação atual também pode ser observado no Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci), que teve a terceira alta consecutiva. O Nuci subiu 0,4 ponto percentual, chegando a 76,5%, o maior desde maio de 2015 (76,6%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia