Milton Beck, diretor regional do LinkedIn na América Latina, esteve entre os palestrantes do DDB Milton Beck, diretor regional do LinkedIn na América Latina, esteve entre os palestrantes do DDB Foto: /Mauro Belo Schneider/Especial/JC

Dados em prol dos resultados das empresas

Evento no Costão do Santinho mostrou como o rastro de informações deixado por usuários na internet pode ajudar os negócios

Saber com precisão onde o cliente está e de que modo age. Graças à tecnologia, as ações de marketing e de prospecção não se baseiam mais em "achômetro" ou em pesquisas com taxas de erros elevadas. A Neoway, de Santa Catarina, promoveu, na semana passada, um evento justamente para falar sobre o assunto, o Data Driven Business (DDB).
Participaram das palestras no hotel Costão do Santinho nomes de peso no mercado. Paula Bellizia, presidente da Microsoft no Brasil, esteve entre eles e destacou, inclusive, o compromisso social do ramo. O PhotoMC (Photo Missing Children), da empresa, foi desenvolvido na China e tem como objetivo ajudar famílias a encontrarem crianças desaparecidas por meio de reconhecimento facial. "A tecnologia pode entregar a mudança que a gente quer para o mundo", disse ela.
A Neoway, que já é considerada a maior player de Inteligência de Mercado e Big Data da América Latina, com clientes em Nova Iorque, patrocinou a atividade para cerca de 500 convidados. Seu CEO e fundador, Jaime de Paula, afirmou que soluções para interpretar dados são úteis para qualquer negócio, seja um escritório de advocacia ou um consultório médico. O software mapeia o que o contratante deseja. Um arquiteto, por exemplo, pode visualizar o número de obras em andamento em sua cidade e onde isso ocorre. 
"A quantidade de dados que se tem hoje é humanamente improcessável. Se a empresa não entregar inteligência para a equipe, a chance de o negócio dar certo é pequena. Dá para viver sem Big Data? Dá, até o seu concorrente contratar esse tipo de serviço", brincou Jaime.
Milton Beck, diretor regional do LinkedIn na América Latina, ressaltou que a rede social também oferece vantagens a partir das informações que são inseridas na plataforma pelos usuários. Pensada para empresas, será lançada, dentro de três meses, a ferramenta Talent Insights. A partir dela, ficará mais fácil buscar profissionais por setores, localização, demanda e outros empregadores.
"É o tipo de informação que levaria meses para as companhias obterem através de consultorias. No LinkedIn, elas terão acesso a isso em minutos", mencionou Milton. O LinkedIn, criado na Califórnia, tem dois usuários novos a cada segundo. Só no Brasil, são 32 milhões deles ativos. A rede pode ser usada para recrutamento, vendas e marketing.
Mais do que agregar dados, o que ficou claro no evento é a importância de transformá-los em cognição. "Ter acesso à informação não é mais um grande diferencial, ela virou commodity", definiu Milton.

Um campeão aliado à causa

Guga durante evento da Neoway Guga durante evento da Neoway Foto: Mauro Belo Schneider/Especial/JC
Quem ajuda a popularizar o termo Big Data é o ex-tenista e campeão mundial Gustavo Kuerten, o Guga. Embaixador da Neoway, empresa que foi criada no seu estado, Santa Catarina, ele conversou com exclusividade com o GeraçãoE. Veja na página 8.
Compartilhe
Seja o primeiro a comentar

Mostre seu Negócio