Michele Souto, do Clio Atelier Criativo, é especialista em encadernação e cartonagem Michele Souto, do Clio Atelier Criativo, é especialista em encadernação e cartonagem Foto: NIÁGARA BRAGA /ESPECIAL/JC

Aprenda a fazer: Porta Post-it

Ótimos para lembrancinhas, podem ser feitos por R$ 2,00 e vendidos por até R$ 12,00 cada

Porta Post-its são ótimas opções para lembrancinhas de eventos, pois podem ser produzidos por R$ 2,00 (ou menos, se você reutilizar alguns materiais, como retalhos de tecido) e vendido por 400% o valor investido, R$ 12,00. Após pegar a prática, é possível fazer em poucos minutos.
Michele Souto, proprietária do Clio Atelier, que vai nos ensinar a fazer o Porta Post-it, conta que chegou a vender 50 unidades em um só bazar de final de ano. “As pessoas compram porque é barato e porque é uma boa opção para quem quer dar um presentinho para cada um”. A artesã indica ainda, para quem quiser investir no nicho das lembrancinhas de eventos, trabalhar com estampas ou papeis personalizados.
Outra vantagem do produto é a possibilidade de reutilização, pois assim que acabar o bloco adesivo, é possível substituí-lo por outro. Desta forma, o produto possui um longo tempo de utilização.
Tutorial detalhado
O que precisa:
- 2 lâminas de papelão cinza para as capas (4cm x 5,5 cm);
- 1 lâmina de papelão cinza para a lombada (1 cm x 5,5 cm);
- Tecido 100% algodão (10cm x 14 cm);
- Bloco de Post-it (3cm x 4,5cm);
- Folha ou papel colorido (5cm x 9 cm; alguma variação de gramatura mais grossa, pois será utilizado para o acabamento interno, a artesã indica o papel Color Plus);
- Elástico chato colorido 7mm (13 cm);
- Papel comum (4cm x 5,5cm; para unir as lâminas de papelão);
- Cola branca;
- Estilete;
- Régua;
- Tesoura;
- Fita-crepe;
- Pincel;
- Espátula;
Como fazer:
- Cole as lâminas de papelão no papel comum, de forma que a lombada fique entre as capas, com a distância de 3mm de cada lâmina. Isto servirá para unir as três peças e formar a estrutura básica do porta Post-it.
- Cole as lâminas no tecido. Cole primeiro uma capa, depois a lombada, em seguida a outra capa. Alise bem o tecido sobre o papelão, de forma que não fique enrugado. Entre os espaços da lombada e das capas, dê o acabamento com a espátula, para que fique bem marcado.
- Recorte o excesso de tecido. Deve ficar 1,5 cm de tecido, contando a partir da margem do papelão, após esta medida, o que sobrou deve ser recortado.
- Recorte os quatro cantos em um ângulo de 45º, porém sempre deixando uma folga de 3mm a partir do tecido, para que possa dar um melhor acabamento na hora da colagem.
- Cole as bordas laterais do tecido. É indicado sempre colar primeiro as bordas paralelas (ou as de cima primeiro, ou as dos lados). Após a colagem de cada borda, finalize nos cantos com a espátula.
- Meça a altura que deseja colocar o elástico e verifique se ambas as marcas estão alinhadas.
- Fure o espaço definido com o estilete, de modo que consiga passar o elástico pelo orifício, porém, fazendo menor corte possível, por conta da estética do produto.
- Coloque as duas pontas do elástico. Cuidado colocá-lo na posição certa, sem torcer. Pode utilizar algum instrumento pontudo que ajude a inserir o elástico, como uma tesoura.
- Cole as pontas do elástico com cola branca ou cola adesiva. No caso da cola branca, é indicado que se coloque também um pedaço de fita-crepe pois a estrutura do elástico pode ser mais firme e resistente à colagem.
- Cole o papel Color Plus de forma centralizada no interior do porta Post-it.
- Passe cola de um lado do Post-it e cole em uma das capas, e está pronto! 

Clio Atelier Criativo quer apostar em estampas próprias e expansão da produção

550347 Michele trabalha com 22 técnicas de costura para encadernação Foto: NIÁGARA BRAGA /ESPECIAL/JC
Após 12 anos trabalhando em escritório, Michele Souto, 36 anos, resolveu buscar novas experiências. Passou dois anos em Dublin, onde se inspirou para investir no que realmente gostava: artesanato. Em 2013 iniciou o Clio Atelier Criativo, onde coloca em prática suas 22 técnicas de costura para encadernação e as habilidades em cartonagem.
Nos primeiros anos, ela conta que se preocupava muito em participar de vários bazares para expor seus produtos, pois “tinha que fazer dar certo, colocar dinheiro em casa”. E sua aposta deu certo, tanto que hoje, por conta da demanda, não precisa mais frequentar feiras. “Por eu expor muito, as pessoas conheceram meu trabalho, e hoje minha demanda é das encomendas”, conta.
Porém, após atingir este nível de vendas – cerca de R$ 3mil mensais, Michele percebeu que só poderia expandir o negócio, se reorganizasse alguns processos na empresa. “Como eu faço tudo, tenho limite de produção”, lamenta sobre a realidade comum de quem realiza trabalhos manuais. Desta forma, a artesã resolveu repensar seu negócio, com ajuda de empresa especializada, que irá lhe ajudar a levar o Clio para um novo nível expansão.
As mudanças ainda estão sendo estudadas, porém, encontrar uma forma de produzir peças em série, e personalizar as estampas, estão entre os objetivos principais. “Não sabemos como, mas precisamos produzir mais, talvez com ajuda de colaboradores ou a mecanização de algum processo”, explica. A personalização nas estampas se dará como forma de identificação da marca: “Como tem vários trabalhos de encadernação hoje em dia, eu quero que as pessoas identifiquem o meu, associando à minha qualidade”, declara.
Os produtos da Michele podem ser obtidos através do site Elo7 ou pela página do Facebook Clio Atelier. As peças também são expostas para venda na loja colaborativa Arte a Parte - R. Cel. Bordini, 231, onde Michele, recentemente, começou a lecionar cursos sobre sua especialidade. 
Compartilhe
Artigos relacionados
Comentários ( 0 )
Deixe um comentário

Publicidade
Newsletter

HISTÓRIAS EMPREENDEDORAS PARA
VOCÊ SE INSPIRAR.

Receba no seu e-mail as notícias do GE!
Faça o seu cadastro.





Mostre seu Negócio