Helen trabalha na sorveteria há 31 anos, desde que casou com um dos herdeiros do negócio, Rogério Dröse Helen trabalha na sorveteria há 31 anos, desde que casou com Rogério Dröse Foto: Niágara Braga/Divulgação/JC

Receita secreta é referência em sorveteria de Camaquã

Há quatro gerações, a família Dröse comanda a mais antiga sorveteria da cidade

Não tem estação. Seja no verão ou no inverno, a fila é constante na Sorveteria Dröse, de Camaquã, a 129 quilômetros de Porto Alegre. A preferência dos clientes confirma o Prêmio de Consagração Pública, que homenageia as marcas mais lembradas da cidade há 33 anos. Isto porque a empresa abocanha o reconhecimento há 32 deles.
Mas o que faz da Dröse tão querida pelos camaquenses? É segredo, literalmente.
A receita do sorvete foi desenvolvida por Felipe Dröse, há mais de 60 anos, e repassada para o filho Felipe Leopoldo (ambos falecidos). O sucessor Rogério, 52, transferiu o conhecimento à quarta geração, formada por Luis Felipe, 30, e Suhelen, 24.
Conforme ordens do bisavô, a receita só pode ser passada de pai para filho - e nem as esposas podem conhecê-la a fundo.
"É um segredo guardado a sete chaves", declara Helen Dröse, 51, casada com Rogério. Ela explica que, assim como a sogra, Geni, 77, as mulheres da família ficam responsáveis pelo atendimento, enquanto os homens lideram a produção.
Desde o casamento, há três décadas, Helen auxilia atrás do balcão da loja, e, por isso, se tornou "a cara" da Dröse. Tanto que é ela quem fala pela marca. Muitos, inclusive, pensam que seja a única dona do estabelecimento.
Desde o início do empreendimento, algumas coisas passaram por transformações. A criação de novos sabores é um exemplo. Hoje, são 23, com o preço de R$ 5,00 por bola.
Apesar disso, frequentadores antigos garantem que o gosto é o mesmo ao longo dessa trajetória toda.
"Não temos registros da data de abertura, mas calculamos pelos clientes, que dizem vir desde jovens. Acompanham os netos já adultos. E eles falam que é o mesmo sorvete de antes", reforça ela.
A base da receita é a mesma, cuidadosamente adaptada às novas tecnologias que foram surgindo.
Embora descartem a abertura de franquias por enquanto devido à conexão familiar da operação , a Dröse sustenta duas lojas. A primeira fica na esquina da rua Professora Luiza Maraninchi com a rua Júlio de Castilhos. A segunda, no Centro de Arambaré - cidade litorânea vizinha.
Nesta última, o estabelecimento só funciona na temporada de veraneio. Atualmente, quem coordena a filial, aberta há 24 anos, é Geni, o neto Luis Felipe e a esposa dele, Kellen - que já deram início à quinta geração dos Dröse, com a pequena Kauana, de um ano.

Dröse cria sorvete de arroz de leite

Apesar de não projetar expansão, a sorveteria procura inovar em opções e sabores para agradar os clientes fiéis. No inverno, são oferecidas opções quentes, como chocolate quente e petit gateau – mas a preferência ainda é o sorvete. E no verão surgem sabores novos, como o de arroz de leite, que após aprovado pelo público, é produzido todos os anos quando chega o calor.
A ideia surgiu quando a sorveteria foi desafiada a criar um sorvete que tivesse como ingrediente o arroz, para ser apresentado na Festa do Arroz de Camaquã. Foram oferecidos três sabores, e o escolhido foi o de arroz de leite – ou arroz doce, como também é conhecido.
Helen explica que este sabor é o único em que uma pessoa que não é “diretamente da família” participa da produção, pois a base do sorvete é o doce feito pela dona Geni. Porém, a parte de transformar o doce em sorvete é feita apenas pelo Rogério ou pelo Luis Felipe.
Conheça a Sorveteria Dröse:
Compartilhe
Comentários ( 4 )
  1. Ubel Rodrigues de Freitas Jr

    Pessoal os sorvetes Drose So realmente o mesmo sabor e Muito, mas muito bom. PARABNS a famlia por manter est tradio.

  2. Julio César ferrão

    Realmente os sorvetes mantém-se fies ao sabor do seu felipe contem realmente pedaços de frutas e chocolates e ingredientes...parabens Rogerio e Helen.

  3. Alexandre

    O Dröse é daquelas lembranças de infância que ficam marcadas na memória. Comecei freqüentando com meu avô e meu pai, depois de almoçarmos na churrascaria ao lado (também tradicional em Camaquã, mas que, infelizmente, não teve a mesma vida longa da sorveteria). Depois passei a levar meu filho e, quando vierem os netos, também levarei. Muito sucesso à essa família!!

  4. Camilla

    O melhor sorvete que existe!! É demais.

Artigos relacionados
Publicidade
Newsletter

HISTÓRIAS EMPREENDEDORAS PARA
VOCÊ SE INSPIRAR.

Receba no seu e-mail as notícias do GE!
Faça o seu cadastro.





Mostre seu Negócio