Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de agosto de 2016. Atualizado às 10h20.

Jornal do Comércio

Expointer 2016

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Notícia da edição impressa de 29/08/2016. Alterada em 29/08 às 10h24min

Blairo Maggi passou fim de semana em Esteio

Desde a abertura da 39ª Expointer, no sábado, até o final da tarde de ontem, o ministro Blairo Maggi, da Agricultura (Mapa), cumpriu extensiva agenda na feira. O primeiro compromisso cumprido foi a participação na solenidade de abertura, na manhã de sábado. "Como a Expointer, não tem nada parecido no Brasil. Temos máquinas, animais e a forma como o gaúcho se comporta", saudou. Defendendo que o Brasil só sairá da crise com investimento na agricultura, argumentou que tem como prioridade reduzir a interferência estatal nas atividades. "Se o governo não atrapalhar, já ajuda muito."
Sobre o cargo, contou que assim que recebeu o convite para assumir a pasta, questionou ao presidente interino Michel Temer como deveria se portar. "Resolva os problemas da agricultura e me traga notícias boas", foi a resposta que obteve. Demonstrando que a construção depende do setor, pediu apoio do segmento para solucionar os entraves. "Contem com o Mapa e não deixem de levar os problemas para o ministério", clamou. O que não faltou foi assunto a tratar ao longo dos dois dias. Ontem, Maggi se reuniu com os ministros da Agricultura da Argentina, Ricardo Buryaile, e do Uruguai, Tabaré Aguerre.
O governo do Rio Grande do Sul, que já vem empenhando esforços para promover uma reaproximação dos países do Mercosul, viu o encontro como resultado das primeiras ações adotadas nesse sentido. Neste mês, por exemplo, o governador gaúcho, José Ivo Sartori, liderou uma missão à Argentina. Na reunião de ontem, sinalizou que os temas debatidos estão alinhados com o que já vem sendo discutido em relação ao bloco. "Tratamos de questões bem específicas, como aquilo que tratamos na Argentina sobre tecnologia, inovação e sobre o mundo empresarial de todas as áreas da produção." Sartori também informou que um próximo encontro deve ocorrer em novembro, em Porto Alegre.
A primeira reunião foi com Buryaile e teve como temáticas centrais a sanidade e o intercâmbio na área da pesquisa. "Entre as parcerias que a Argentina busca com o Brasil, uma delas é agregar valor à soja, que os dois países, Brasil e Argentina, juntamente com EUA, são os maiores exportadores", observou o argentino.
Maggi assegurou que aprofundará a questão da soja. Responsáveis por 90% da produção do grão, EUA, Brasil e Argentina precisam ajustar posição para conversar com a China, que impõe barreiras para a exportação de farelo, defendeu. "A posição do governo Sartori é muito importante e deve ser tratada em nível de Codesul para que o processo ganhe agilidade", afirmou. Na sequência, Sartori se reuniu com o ministro uruguaio. Aguerre elogiou a posição do Brasil ao tratar o Mercosul como um bloco, mas ponderou que as regras precisam favorecer a todos. No encontro, foram tratadas questões referentes à criação de uma política comum de controle de enfermidades transfronteiriças para garantir a qualidade e a competitividade dos produtos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia