Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de julho de 2016. Atualizado às 22h46.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Vinicius Ferlauto

Giro Rápido

Notícia da edição impressa de 22/07/2016. Alterada em 21/07 às 21h35min

Diversificando e ampliando

A Sumitomo Rubber do Brasil, leia-se Dunlop, anunciou investimento de R$ 487 milhões para a construção, a partir de 2017, da sua primeira fábrica de pneus de caminhões no Brasil. Além da nova planta industrial, o montante beneficiará a atual operação de pneus de veículos de passeio da marca, localizada na Região Metropolitana de Curitiba (PR), que será ampliada. A empresa, que atualmente importa os pneus de carga para o mercado interno, estima o crescimento desse segmento em cerca de 2% a cada ano de atividade da fábrica, projeção que influenciou a decisão de investimento. A produção local de pneus de caminhões está programada para começar em 2019, com uma capacidade de 500 unidades/dia. A planta de pneus para veículos de passeio inaugurou em outubro de 2013 e atingiu sua capacidade máxima no final de 2015, com 15 mil unidades/dia. A expansão possibilitará alcançar o volume diário de 18 mil pneus até o final de 2019. No Brasil, a Dunlop obteve crescimento de 62% em vendas de pneus de passeio no ano passado, e chegou a 10% de participação no mercado de reposição deste mesmo segmento. A marca também conquistou contratos de fornecimento para montadoras de veículos instaladas no País, como Toyota, Volkswagen e Fiat Chrysler Automobiles. Resultados que sustentam a decisão pela ampliação.
Motor pioneiro
A Moto Honda atingiu a marca de 500 mil motores de 160 cm3 produzidos na fábrica de Manaus (AM). Trata-se do primeiro propulsor bicombustível dessa cilindrada no mundo, projetado para cumprir com a regulamentação da segunda fase do Promot 4 (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares).
Promoção da sustentabilidade
A Toyota Motor Corporation e a organização não governamental WWF (maior entidade conservadora independente do mundo), firmaram um acordo de cinco anos com o objetivo de promover a sustentabilidade e a preservação da biodiversidade. Ambas trabalharão em conjunto para promover a conscientização ambiental, convergindo em direção a uma sociedade "carbono zero". A Toyota é a primeira companhia automotiva a fazer uma parceria global com a WWF, em um entendimento que prevê esforços para aumentar a sustentabilidade de recursos naturais como madeira, papel, celulose, óleo de palma e borracha natural. A produção não sustentável dessas matérias-primas está entre as principais causas do desmatamento, que coloca espécies animais e vegetais em risco de extinção. A Toyota também doará US$ 1 milhão para o projeto Floresta Asiática Viva da WWF, que busca conservar florestas tropicais e animais selvagens no Sudeste asiático, em locais como Bornéu e Sumatra, na Indonésia. O apoio da montadora a essa iniciativa irá perdurar por cinco anos.
Pesquisa & tecnologia
A Ford está desenvolvendo um novo material bioplástico feito com fibras de agave, planta usada na fabricação da tequila. A inédita matéria-prima servirá à produção de componentes automotivos. A pesquisa transcorre em parceria com a Jose Cuervo, tradicional fabricante da bebida mexicana. Devido a sua durabilidade e propriedades estéticas, o novo bioplástico oferece grande potencial de aplicação no revestimento de cabos e porta-objetos. Além de contribuir para diminuir o peso do veículo, o insumo substitui derivados do petróleo, reduzindo o impacto ao meio ambiente. Em outro campo, a Ford está sendo uma das empresas pioneiras em empregar os chamados robôs colaborativos. Em fase inicial de testes na sua fábrica de Colônia, na Alemanha, os equipamentos combinam tecnologias de automação, troca de dados e manufatura, sendo capazes de executar diferentes tarefas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia