Porto Alegre, quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016. Atualizado às 08h11.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
37°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9920 3,9940 1,89%
Turismo/SP 3,7500 4,1700 0,47%
Paralelo/SP 3,7500 4,1700 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Teatro Notícia da edição impressa de 18/02/2016. Alterada em 18/02 às 09h11min

Terreira da Tribo espera há oito anos pela casa própria

JOÃO MATTOS/JC
Burocracia e erros de projeto atrasam construção de centro cultural da Terreira da Tribo na Cidade Baixa

Michele Rolim

O sonho da casa própria da Terreira da Tribo, grupo que completa 38 anos em 2016, parece ainda distante. No próximo mês, faz oito anos que a Tribo conquistou junto ao poder público municipal o terreno na esquina das ruas João Alfredo e Aureliano de Figueiredo Pinto, na Cidade Baixa, cedido por comodato para construção de sua sede definitiva. No entanto, até agora, a área segue vazia, ocupada apenas por mato e servindo de moradia para desabrigados.
A prefeitura garante ter encaminhado uma solução. Segundo o secretário adjunto da Secretaria Municipal de Obras (Smov), João Pancinha, o edital de licitação para construção da sede própria será publicado em março com o valor total da obra - dado que será conhecido apenas na divulgação do edital. Pancinha relata que o novo projeto executivo e o Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU) do Centro Cultural Terreira da Tribo já foram aprovados junto à Secretaria Municipal do Urbanismo (Smurb).
A novela do centro cultural se arrasta e tem vários capítulos. As dificuldades para iniciar a obra começaram em janeiro de 2014 quando a 5S Arquitetura e Design, empresa que ganhou a primeira licitação, constatou incompatibilidades entre o projeto arquitetônico e o plano de fundações, o que inviabilizava o início da construção. O projeto original tinha cerca de 10 anos e fora doado à Terreira da Tribo pelo escritório RGS Arquitetura.
A partir daí, partiu-se para a elaboração de um novo projeto, a cargo da Divisão de Projetos Prediais (DPP) da Smov e assinado pelos arquitetos Flávia Ferreira Haase, Jorge Freitas Borges, Débora Postingher e Daniela Taglieber Sperb. O futuro centro cultural terá três pavimentos e um mezanino, com 25 vagas de estacionamento. A área do terreno é de 1.297,59 metros quatros, com uma área total a ser construída de 1.703,42 metros quadrados. O espaço será administrado pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz.
Em maio de 2014, a Secretaria Municipal da Cultura (SMC) informou que os entraves estavam resolvidos e que o projeto contava com verba de R$ 1,4 milhão aportada pelo Ministério da Cultura (MinC). Mas ainda havia dificuldades: faltava R$ 1 milhão para garantir a conclusão da obra e o terreno estava ocupado por moradores de rua, posteriormente retirados em uma ação da prefeitura considerada irregular pelo Ministério Público Estadual.
A atuadora Tânia Farias, que integra o Ói Nóis desde 1993, espera que a obra realmente comece neste ano. "Com a nova licitação, a Terreira não será um elefante branco, não vai construir uma parte e depois não consegue dinheiro de lugar nenhum para terminar. Uma vez licitado, a prefeitura terá que prover o que falta para finalizar a obra", afirma ela. Atualmente, o grupo utiliza um prédio alugado na rua Santos Dumont, 1.186, no bairro São Geraldo - mas já teve outros dois endereços, nas ruas José do Patrocínio e Ramiro Barcelos.
Em nota, a Secretaria de Cultura informa que "a verba (R$ 1,4 milhão) oriunda do MinC está garantida até o primeiro semestre deste ano. De parte da prefeitura está sendo desenvolvido todo o trabalho possível para garantir o término dos projetos e a verba". É ver para crer.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Cerimônia premia vencedores do Açorianos de Teatro Theatro São Pedro baixa pontuação mas segue como marca dominante Teatro Novo: de pai para filha Diversos números

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo