Mauro Belo Schneider

O bairro Tristeza testemunhou, nos últimos anos, a chegada de diversas marcas

Há coisas que parecem muito óbvias

Mauro Belo Schneider

O bairro Tristeza testemunhou, nos últimos anos, a chegada de diversas marcas

Algumas conclusões sobre negócios são possíveis de serem feitas sem nem precisar de grandes estudos. Eu, que moro na Zona Sul de Porto Alegre, vivenciei algo que parecia muito óbvio recentemente.

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

Algumas conclusões sobre negócios são possíveis de serem feitas sem nem precisar de grandes estudos. Eu, que moro na Zona Sul de Porto Alegre, vivenciei algo que parecia muito óbvio recentemente.
O bairro Tristeza testemunhou, nos últimos anos, a chegada de diversas marcas. Há opções gastronômicas para todos os gostos, dezenas de bandeiras de farmácias, academias que já operavam em outras regiões. Mas faltavam lojas populares.
Para mim, que vivi quase 25 anos na Zona Norte, parecia tão simples: operações ao estilo R$ 1,99 (saudade!) geram movimento. Por que não funcionaria por aqui?
Alguns empreendedores ainda acham que só dão certo os negócios em zonas centrais. Porém, sempre me perguntei: e as milhares de pessoas que gostariam de consumir sem precisar pegar carro ou ônibus?
Dito e feito. Me senti a Mãe Diná quando abriu uma unidade do Bazar Sul na avenida Wenceslau Escobar. Ainda mais quando percebi estar sempre lotado e que já teve que alugar o imóvel ao lado para expandir. Se colocar no lugar do público, às vezes, é uma estratégia bastante confiável. #bora
Mauro Belo Schneider

Mauro Belo Schneider - editor do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Mauro Belo Schneider

Mauro Belo Schneider - editor do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário