Júlia Diefenbach

O restaurante opera por delivery e tem planos de expansão

Sushi vegano abre em Novo Hamburgo

Júlia Diefenbach

O restaurante opera por delivery e tem planos de expansão

Inicialmente, Cassiano Abreu Santos trabalhava como sushiman na Serra Gaúcha. Lá, conhecendo pessoas adeptas ao vegetarianismo e ao veganismo, passou a considerar a ideia de trabalhar nesse segmento, o que resultou no restaurante Tai Chi. O sushi, que teve início no final de junho deste ano, opera no bairro Canudos, em Novo Hamburgo, através de delivery para toda a cidade.

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

Inicialmente, Cassiano Abreu Santos trabalhava como sushiman na Serra Gaúcha. Lá, conhecendo pessoas adeptas ao vegetarianismo e ao veganismo, passou a considerar a ideia de trabalhar nesse segmento, o que resultou no restaurante Tai Chi. O sushi, que teve início no final de junho deste ano, opera no bairro Canudos, em Novo Hamburgo, através de delivery para toda a cidade.
“Quando eu comecei a fazer sushi vegano, eu não era vegano, mas, como eu fazia minhas próprias entregas para ter contato com os clientes, aprendi muitas lições”, lembra. Atualmente, Cassiano não é vegano, mas está no processo de transição para o veganismo. “Eu aprendia muito com as entregas, e fui notando que aquelas pessoas se importavam de verdade com aquilo, e que seria até uma forma de respeito não haver manipulação de carnes no meu negócio”, explica.
TAI CHI/DIVULGAÇÃO/JC
O produto produzido por Cassiano tem origem 100% vegetal, como verduras, legumes, frutas e sementes, para atender a um público que nem sempre conta com uma grande variedade de opções quando se trata de sushi. “Em cidades como Porto Alegre e Caxias do Sul, já tem esse tipo de serviço, mas em Novo Hamburgo não”, diz Cassiano. “Eu adorava fazer sushi, mas não gostava de manipular as carnes, então abrir um sushi vegano me deu liberdade”, acrescenta. O Tai Chi conta com combos inspirados nos quatro elementos, que custam R$ 25 cada, combos adicionais e combos especiais.
Com um investimento inicial de R$ 3 mil, Cassiano acredita que é possível empreender com poucos recursos, desde que haja disposição a passar por obstáculos. “Eu, como sushiman, trabalho com facas, elas são o meu equipamento principal, e eu iniciei com duas facas sem fio”, afirma. Durante a pandemia, o empreendedor fez cursos de especialização. “Foi só na pandemia que eu consegui dar o pulo e ir de funcionário para microempreendedor”, conta.
O lugar onde o Tai Chi funciona atualmente era usado como garagem e depósito pela família de Cassiano. “Como eles não estavam utilizando, readaptei todo o local, mas ainda estou arrumando os últimos detalhes”, explica. Quando o restaurante estiver pronto e houver menos restrições em decorrência da pandemia de Covid-19, o sushiman pretende receber clientes em um espaço físico. Além disso, com o tempo, ele tem planos para passar a atender cidades vizinhas de Novo Hamburgo, como São Leopoldo e Campo Bom.
O restaurante opera de sexta a segunda-feira, das 8h às 13h e das 18h às 20h. É possível conferir o cardápio completo e realizar pedidos através da plataforma Goomer, cujo link está disponível na página de Instagram do Tai Chi (@taichi.restaurar).
TAI CHI/DIVULGAÇÃO/JC
Júlia Diefenbach

Júlia Diefenbach - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Júlia Diefenbach

Júlia Diefenbach - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário