Isadora Jacoby

A StreetMe é focada na modalidade take away, que deve atender quem passa a pé pela avenida Independência

Balcão na rua é aposta de nova cafeteria de Porto Alegre

Isadora Jacoby

A StreetMe é focada na modalidade take away, que deve atender quem passa a pé pela avenida Independência

Balcão voltado para rua, autoatendimento e 9m². Assim é a StreetMe, cafeteria que abriu as portas nesta segunda-feira em Porto Alegre. Operando no sistema pegue e leve, a ideia é ser um café urbano, que atenda as pessoas que passam pelo local. Ainda na rua, o cliente faz o seu pedido em um tablet, realiza o pagamento e, então, pega o seu pedido para levar.

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

Balcão voltado para rua, autoatendimento e 9m². Assim é a StreetMe, cafeteria que abriu as portas nesta segunda-feira em Porto Alegre. Operando no sistema pegue e leve, a ideia é ser um café urbano, que atenda as pessoas que passam pelo local. Ainda na rua, o cliente faz o seu pedido em um tablet, realiza o pagamento e, então, pega o seu pedido para levar.
Úrsula Dresch, 38 anos, proprietária do negócio, conta que ter um espaço voltado para o café era um sonho antigo. À frente de uma empresa de eventos também, viu a demanda baixar nos meses de pandemia. O tempo livre virou oportunidade para tirar do papel o projeto. "Amo café desde nova e sempre quis uma coisa diferente. Criamos essa proposta to go, e levamos bem mais a fundo com a questão da pandemia, já que o pessoal não pode ir e ficar no local. O café é todo voltado para isso", explica a empreendedora.LUIZA PRADO/JC
O ponto na avenida Independência, nº 515, é definido por Úrsula como loja de experiência. Isso porque, antes de ter o espaço físico, a ideia da empreendedora era vender somente o café, um blend autoral desenvolvido em uma fazenda cafeeira no sul de Minas Gerais, chamado de Blend Lifestyle. "O cliente pode comprar para passar em casa. Todos os cafés do cardápio são feitos com esse blend", destaca Úrsula. O pacote com 250g moída custa R$ 39,00. As bebidas prontas vendidas no espaço partem de R$ 6,00 e vão até R$ 14,00. No primeiro dia de operação, Úrsula conta que o sucesso foi o café nitrogenado, um cold brew que leva suco de laranja. "É uma bebida mais refrescante, mas com café", explica.
Para reforçar a ideia de take away, o local tem uma sacola especial para que o cliente consiga levar mais de um café por vez. O conceito da cafeteria também está presente no cardápio. Além dos cafés, as opções de alimentos são pensadas para serem consumidas na rua, de forma prática. "Tem pão de queijo, palha italiana, brownie, brigadeiro belga. São comidas fáceis para a pessoa pegar e sair caminhando. Não quis colocar folhados, ou coisas com recheios, que é difícil comer na rua. Focamos em comidas mais práticas", pontua Úrsula, que também vende produtos com a identidade visual da marca, como canecas, filtros ecológicos e ecobags, itens pensados para que o cliente reproduza a experiência em casa.
Arquivo Pessoal/Divulgação/JC
Para transformar o ponto e desenvolver a marca, foram investidos cerca de R$ 100 mil. Úrsula conta que aproveitou sua expertise em marketing para desenvolver o conceito do StreetME. "Como trabalho há muito tempo com marketing, focamos bastante nos detalhes. Tudo foi bem estudado e bem pensado. O nome é para ser um café urbano e o logo é uma menina e um guaxinim, que representa o desejo de explorar, de ir para a rua", contextualiza. O ponto foi escolhido por ser um local onde as pessoas passam caminhando, já que o foco são os pedestres. "Fomos atrás de um lugar que fosse na rua, que não desse para os carros pararem, para que o pessoal viesse a pé. O balcão fica virado para a rua, queríamos um lugar movimentado de pessoas caminhando."
Apesar de ter recém aberto as portas do negócio, Úrsula já pensa no futuro, com projetos de franquear o modelo. Por isso, o espaço é pequeno e com autoatendimento, para que a operação funcione somente com um barista. "Pensamos em ter franquias, mas trabalhando sempre com espaços pequenos. A ideia é ter sempre só uma pessoa trabalhando. O pedido é todo feito pelo cliente, ele mesmo passa o cartão. O barista está ali para tirar alguma dúvida, mas é para ser mais modernizado", afirma.
Em breve, o negócio deve operar também com tele-entrega no bairro e dentro de algum aplicativo de delivery. O StreetMe funciona de segunda a sexta-feira, das 8h30min às 18h30min, e aos sábados, das 9h às 13h.
LUIZA PRADO/JC
Isadora Jacoby

Isadora Jacoby - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Isadora Jacoby

Isadora Jacoby - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário