Vitorya Paulo

No Prensadão Torres, foco é nos moradores da cidade

Empreender na praia só tem uma certeza: trabalho duro

Vitorya Paulo

No Prensadão Torres, foco é nos moradores da cidade

Nos quatro meses de alta, os donos de negócios da praia trabalham exaustivamente enquanto veem suas cidades lotadas de veranistas tirando férias, descansando e aproveitando o verão. O momento é ideal para conhecer novos clientes, aprimorar o atendimento, atestar a qualidade dos produtos e, claro, faturar mais.

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

Nos quatro meses de alta, os donos de negócios da praia trabalham exaustivamente enquanto veem suas cidades lotadas de veranistas tirando férias, descansando e aproveitando o verão. O momento é ideal para conhecer novos clientes, aprimorar o atendimento, atestar a qualidade dos produtos e, claro, faturar mais.
Porém, curiosamente, no inverno, o trabalho não diminui. Isso porque o desafio de empreender na praia se torna ainda maior, desta vez carregado de inseguranças por não saber se será possível manter a casa ativa por mais uma temporada.
Com a cidade praticamente vazia, é necessário, muitas vezes, fazer malabarismos para continuar sobrevivendo. Há dois anos, acompanho meus pais, Dagoberto Paulo, 50, e Marilene da Cruz, 54, na jornada empreendedora. Donos do Prensadão Torres, que fica na praia de Torres, eles tomaram coragem para tocar um restaurante e serem seus próprios chefes. Para eles, 2020 está sendo um ano difícil.
Depois do verão mediano em Torres, em termos de vendas, a pandemia chegou. Nos primeiros dois meses da quarentena, em que muitas cidades da Serra estavam com negócios fechados devido à bandeira vermelha, como Caxias do Sul, eles registraram certo aumento nas vendas.
Os veranistas da Serra viajaram ao litoral para passar a quarentena e isso aqueceu, de certa forma, a economia local. Porém, eles retornaram às suas cidades. Os demais quatro meses foram de estagnação e, em alguns momentos, de queda.
No Prensadão, que serve lanches, pizzas e rodízio de massas e grelhados, meus pais tiveram de desenvolver novos produtos e promoções. No período em que estavam impedidos de receber clientes, eles criaram o "rodízio em casa", em que as pessoas podem escolher diferentes tipos de massas e molhos e ter a experiência reduzida de um rodízio no conforto do lar.
Diferentemente do restaurante Meu Recanto, em Rainha do Mar, a maioria dos clientes do Prensadão são moradores da cidade. E essa sempre foi uma preocupação, principalmente no verão, em que as vendas sobem repentinamente e podem atrapalhar alguns processos.
Se meus pais estão lidando com a pandemia de maneira certa ou errada, não posso dizer. O fato é que estão se mantendo no zero a zero, pelo menos, e essa já é considerada uma vitória. Esperamos, eles e eu, que o verão seja quente nas temperaturas e nas vendas, mas sempre conscientes, seguindo protocolos, usando máscaras e álcool em gel.
Dentro do Prensadão e fora dele.
Vitorya Paulo

Vitorya Paulo - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Vitorya Paulo

Vitorya Paulo - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário