Vitorya Paulo

Iniciativa visa valorizar os insumos nativos do Rio Grande do Sul

Marca de Passo Fundo cria bolacha de pinhão

Vitorya Paulo

Iniciativa visa valorizar os insumos nativos do Rio Grande do Sul

Explorar a força das frutas e sementes nativas no Rio Grande do Sul em diferentes receitas é o que inspira o empreendimento Encontro de Sabores, de Passo Fundo. Criado em 2014, o projeto, baseado nos princípios de agroecologia e economia solidária, desenvolve uma bolacha feita a partir de uma iguaria típica gaúcha: o pinhão. Além dela, há sucos, picolés, sorvetes e salgados que levam os insumos encontrados na Mata Araucária do Estado.

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

Explorar a força das frutas e sementes nativas no Rio Grande do Sul em diferentes receitas é o que inspira o empreendimento Encontro de Sabores, de Passo Fundo. Criado em 2014, o projeto, baseado nos princípios de agroecologia e economia solidária, desenvolve uma bolacha feita a partir de uma iguaria típica gaúcha: o pinhão. Além dela, há sucos, picolés, sorvetes e salgados que levam os insumos encontrados na Mata Araucária do Estado.
São cerca de 15 a 20 quilos de bolachas de pinhão produzidos por dia. A receita foi desenvolvida após um curso de capacitação oferecido pelo Centro de Tecnologias Alternativas Populares (Cetap). "Fazíamos só para as reuniões e o pessoal foi gostando. Criamos o rótulo e depois desenvolvemos a embalagem, que antes era de 500g e, agora, é de 200g. É para pegar e sair comendo", diz a coordenadora do empreendimento, Lídia da Rocha Figueiró.
ARQUIVOPESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
Butiá, guabiroba, araçá, uvaia, juçara (fruta parecida com o açaí), jabuticaba e goiaba, além do pinhão, são os sabores que dão vida aos produtos. Segundo Lídia, são cerca de 150 famílias que fornecem as frutas e sementes. Algumas seguem os preceitos da produção agroecológica e outras usam do extrativismo. "Ou seja, colhem quando dá o fruto, mas não se envolvem com nenhum tipo de plantio", explica.
O projeto tem assessoramento técnico do Cetap, organização da sociedade civil que trabalha com apoio de entidades de cooperação e de órgãos públicos municipais, estaduais e federais. "Os técnicos do Cetap acompanham o desenvolvimento das árvores para ver se a safra vai ser boa", conta Lídia. Durante a pandemia, a parceria contribuiu para o seguimento do projeto, já que o centro está desenvolvendo campanhas de alimentação em que a Encontro de Sabores fornece seus produtos.
Outra iguaria que faz sucesso são os picolés de frutas, produzidos em parceria com uma sorveteria de Vacaria, e os salgados, como o croquete de pinhão com ou sem carne, o pastel de frango com butiá e o de pinhão. "É uma cadeia solidária das frutas nativas", afirma Lídia.
Em Porto Alegre, o principal ponto de venda dos produtos da Encontro de Sabores é a Cooperativa GiraSol (Avenida Venâncio Aires, nº 757). Lídia afirma que os principais fornecedores são aqueles ligados às causas agroecológicas. "Aqueles que acreditam em um alimento mais justo e mais limpo", pontua.
Vitorya Paulo

Vitorya Paulo - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Vitorya Paulo

Vitorya Paulo - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário