Luka Pumes

A Piratini conta com a mesma administração há 25 anos

Padaria na Zona Norte oferece café colonial

Luka Pumes

A Piratini conta com a mesma administração há 25 anos

Variedade em pães, tortas, doces, salgados, cucas e frios para o café em família. A Padaria Piratini é um estabelecimento tradicional do bairro Sarandi, na Capital, que foi adicionando serviços ao longo de suas quase sete décadas. Aos finais de semana e feriados, há ainda o serviço de café colonial (entre R$ 23,90 e R$ 28,90).

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

Variedade em pães, tortas, doces, salgados, cucas e frios para o café em família. A Padaria Piratini é um estabelecimento tradicional do bairro Sarandi, na Capital, que foi adicionando serviços ao longo de suas quase sete décadas. Aos finais de semana e feriados, há ainda o serviço de café colonial (entre R$ 23,90 e R$ 28,90).
Elisabete Armani, a Bete, e o marido, Mauro Tomazi, comandam o estabelecimento que nasceu em 1954 sob outra administração. "Estamos com a Piratini há 25 anos. Quando compramos, tínhamos mais duas sócias. Decidimos manter o nome porque, na época, era tradicional e os clientes tinham muito carinho", conta Bete.
A produção da Piratini é 80% artesanal. Por isso, é necessário ter uma equipe de mais de 65 funcionários. Os donos afirmam que, por mais que ela não esteja aberta ao público 24 horas por dia, está sempre funcionando nos bastidores.
Segundo Bete, a oferta de novos serviços não foi exatamente uma necessidade ao longo do tempo, mas algo que foi visto como oportunidade. "Estávamos se virando bem, porém tínhamos espaço de sobra e decidimos arriscar. Fomos adequando com o tempo, percebemos que o café colonial deveria ficar aos fins de semana e feriados e que o almoço deveria ser de segunda à sábado", explica.
Mesmo com o aumento dos serviços e, consequentemente, do fluxo de clientes, Bete garante que o ambiente continua o mais familiar possível. "Procuramos fazer com que o cliente se sinta em casa. É como se fosse a extensão da sala e da cozinha do nosso consumidor. Estamos sempre pensando nos bolos das nossas mães e avós, em pães de fermentação natural, em resgatar coisas do passado."
 
Luka Pumes

Luka Pumes - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Luka Pumes

Luka Pumes - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário