Diego acredita que acrescentar cafeterias à Havana foi fundamental Diego acredita que acrescentar cafeterias à Havana foi fundamental Foto: /HAVANNA/DIVULGAÇÃO/JC

Marca de doces argentinos busca expansão no Brasil

No franchising, a palavra da vez é internacionalização. Franquias dos mais diversos setores buscam maneiras de alçar voos para outros países. No entanto, o Brasil também é visto como um mercado promissor para as empresas de fora.

Há 13 anos por aqui, a Havanna, marca de alfajores da Argentina, vê no País um de seus principais mercados. 

Diego Schiano, diretor-geral da operação no Brasil, presente em 19 estados, acredita que a marca caiu no gosto do consumidor. No início, as lojas vendiam somente os produtos da marca, e o modelo de negócio não deslanchou. Foi quando uma cafeteria foi agregada às lojas que veio a expansão.

"Começamos a ir onde o público queria que a Havanna estivesse. Essa foi a grande charada, o grande acerto da marca. E esse mix complementando os nosso presentes, porque não ficou só venda de alfajor e doce de leite. A gente obteve um faturamento maior, e essa foi a estratégia certeira no Brasil", explica.  

Com 80 lojas, três delas próprias, Diego ressalta que chegar no Brasil, em meio a um momento pouco favorável da economia, não foi uma tarefa fácil.

Uma das estratégias da marca foi ampliar os formatos, através de parcerias. "A gente aposta no modelo store in store. Ou seja, estamos em livrarias, entrando agora em hospitais, em centros empresariais. Tudo isso está ajudando essa expansão, porque não estamos só focados em shoppings ou em lojas de ruas."

Com quiosque e loja, os dois modelos de franquia da Havanna contam com cafeteria. O valor do primeiro fica em torno de R$ 350 mil, e a loja custa R$ 500 mil. Diego destaca que o público da marca é A e B, mas que a diversidade de produtos amplia a gama de consumidores.

"Nosso público é esse, em sua grande maioria, em razão do posicionamento de preço. Mas a gente atinge todos os perfis, porque temos produtos que se iniciam em R$ 2,50", destaca. 

Para 2019, a Havana planeja chegar em 110 lojas, e os focos de expansão estão nas regiões Sul e Sudeste. "Nós abrimos em Canoas e em Porto Alegre. Esse mesmo franqueado já tem mais duas franquias para expandir, então vamos abrir mais duas unidades em Porto Alegre. A ideia é chegar a cinco lojas na capital gaúcha."

Compartilhe
Seja o primeiro a comentar

Publicidade
Mostre seu Negócio