Sérgio vai até a casa dos clientes Sérgio vai até a casa dos clientes Foto: /Majestic Gastronomia/divulgação/jc

Ex-bancário abre empresa de chef a domicílio

Majestic Gastronomia foi criada em 2015, em São Leopoldo

Defina o dia, a hora e o local, chame seus convidados e o resto fica por conta da Majestic Gastronomia. A empresa de São Leopoldo, criada em 2015 por Sérgio Rodrigues, 34 anos, é voltada para soluções em gastronomia e drinks. "Vamos na casa da pessoa, com os nossos equipamentos, e cozinhamos na hora", conta o chef, conhecido como Serjão. Os valores podem partir de R$ 20,00 e chegar a R$ 90,00 por pessoa.
A Majestic aposta na versatilidade, por isso produz também ações corporativas, feiras de rua e formaturas. Serjão optou por este modelo "móvel" de negócio pois, no início, não tinha recursos, mas hoje o vê como uma ótima opção. Ele destaca que o empreendimento lucra em média 40% do valor de cada evento, percentual abaixo da meta, que é de 50% a 70%. "A empresa é nova e pequena. Devagarinho, conseguiremos pegar preço, ter mais orçamento positivo", acredita. 
MAJESTIC GASTRONOMIA/DIVULGAÇÃO/JC
A ligação de Sérgio com a gastronomia vem da infância, da relação com a mãe e a avó. Mas começou profissionalmente há 10 anos, quando decidiu se mudar com a esposa Vanessa, 36 anos, para Florianópolis (SC). Lá, havia recebido uma proposta para trabalhar em um restaurante na beira da praia durante o Verão de 2009. Na época, o atual chefe de cozinha trabalhava como bancário. O casal largou o emprego fixo e foi se aventurar pelas terras catarinenses.
Por seis anos, Serjão teve diversas experiências como freelancer na área de organização de eventos e gastronomia. Assim, o ex-bancário adquiriu prática em muitas funções, desde assistente de cozinha, garçom, bartender e barista até na organização e cenografia de eventos.
Ele retornou para São Leopoldo em 2014, com vontade de empreender. A ideia sobre o que abrir surgiu há quase quatro anos e, segundo Serjão, foi fruto de um despertar corajoso que teve quando uma amiga o convidou para trabalhar em uma casa que eventos. O local não durou muito, mas foi o empurrão que a Majestic precisava. Assim, para ele, a empresa só existe por causa da coragem de arriscar, tornando-se autônomo em um momento de crise. “A vida vai nos levando para os caminhos certos”, aponta. 
Compartilhe
Seja o primeiro a comentar

Publicidade
Mostre seu Negócio