A educadora Annalu Souza está por trás do negócio A educadora Annalu Souza está por trás do negócio Foto: MARCELO G. RIBEIRO/JC

Espaço infantil na Zona Sul oferece 'vale night' para pais terem onde deixar filhos quando querem sair a dois

Primeira edição na Casa Ânima acontece no dia 6 de junho

O termo "vale night" geralmente é empregado no caso de companheiros saírem um sem o outro na balada. No mundo dos pais, porém, é um pouco diferente. O "vale night" é assim chamado quando o casal tem a possibilidade de sair desacompanhado dos filhos, à noite, mas esse passeio pode incluir até um programa mais leve, como um cinema. Não tardou para essa ideia virar empreendedorismo. A Casa Ânima, no bairro Tristeza (Rua Dr. Barcelos, 240), por exemplo, vai disponibilizar o serviço a partir do próximo mês. 
O espaço pretende realizar a primeira edição na noite de 6 de junho, das 19h às 0h30min, com preços a partir de R$ 80,00 (para crianças de 1 a 10 anos). O valor engloba lanche e várias atividades, entre elas caça ao tesouro, jogos de tabuleiro, dança da cadeira, mini spa para as meninas e até cinema. Segundo a proprietária, Annalu Souza, conforme a procura, haverá uma edição também no dia 12 (Dia dos Namorados). Ela afirma que pretende ter noites de “vale night” pelo menos uma vez ao mês e que busca parcerias de estabelecimentos para proporcionar descontos aos frequentadores que deixarem a criança na Casa Ânima. "Existem outros lugares em Porto Alegre que já oferecem isso, mas na Zona Sul acredito que eu seja a primeira. Os pais me pediram muito", relata.
MARCELO G. RIBEIRO/JC
A casa inaugurou em agosto de 2018 e conta com uma unidade da Baby Gym (Annalu é uma das franqueadas), aulas de inglês, musicalização e atendimentos com psicóloga. Também atende em contraturno escolar, com opções de turnos avulsos (R$ 70,00) ou pacotes mensais, que oferecem reduções progressivas de preços. O horário de funcionamento do local é das 8h30min às 19h, com várias oficinas ministradas por nutricionista, engenheira agrônoma e outros profissionais. “Eles aprendem a fazer o próprio lanche, com valores nutrício, ciências, biologia, artes, além de brincarem”, comenta a empreendedora.
A principal proposta da Casa Ânima, aliás, é o resgate de brincadeiras antigas. “Hoje sabemos que a brincadeira desenvolve muitas habilidades importantes, as crianças estão mais sedentárias e usam bastante eletrônico. Não adianta acelerarmos apenas alguns processos com a tecnologia, dar muita ênfase para isso, mas esquecermos coisas básicas”, diz Annalu. 
MARCELO G. RIBEIRO/JC
Antes de ser empresária, ela trabalhou por 23 anos como professora. “Sou formada em pedagogia. Fiz uma pós-graduação em gestão educacional, que aflorou o meu lado empreendedora”, conta. “Como empreendedora o maior desafio é me tornar conhecida no mercado, ter a credibilidade dos pais e ter uma marca que as pessoas associem à confiabilidade”, analisa. “As pessoas questionam muito. 'É uma escola, não é uma escola?' Em outros países tem muitas casas que funcionem assim, em São Paulo também”, acrescenta. Atualmente, o espaço tem 10 crianças no contraturno e 60 nas outras atividades. A meta é chegar, no máximo, até 25 por turno, para não deixar de atender de forma personalizada.
Se você gosta de conteúdos como este, leia também: Escola ensina técnicas de programação para crianças e adolescentes
Compartilhe
Comentários ( 3 )
  1. Luciana Nunes

    Funciona como creche?

  2. @daijardimdoces

    Sou vizinha e amei a proposta, tenho certeza que será sucesso!!! Parabéns!!!

  3. Berenice

    Que bacana tomará que tenha muito sucesso..

Publicidade
Mostre seu Negócio