Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 26/04/2018. Alterada em 25/04 às 21h04min

Funcriança e o combate à evasão escolar

Francisco Dornelles
Muitas são as causas que contribuem para a evasão e infrequência escolar, uma das grandes mazelas da sociedade atual: trabalho infantil, fracasso escolar, desigualdades sociais e baixa renda das famílias (Fundo das Nações Unidas para a Infância/Unicef). Contribuem para o estudante derivar-se da sala de aula, as condições precárias dos colégios, falta de merenda escolar, entre outros fatores. A evasão e a infrequência escolar tiram da criança e do jovem a oportunidade de inserção no mercado de trabalho, roubando-lhe a dignidade, problema que afeta toda a sociedade, pois sem emprego esse jovem tem possibilidades de interagir com a criminalidade, demonstrada nas ocorrências de violência.
Economistas estimam a necessidade de investimento de mais R$ 50 bilhões para ajustar e equilibrar a prestação de serviços para oferecer uma educação pública de qualidade no Brasil. O Estado do RS diz não ter recursos para investimentos, pois gasta 75% de sua receita líquida com a folha de pagamento, 40% para aposentados e 35% para os em atividade. Restam poucas possibilidades.
As doações via Funcriança para entidades com projetos aprovados pelos Conselhos Municipais da Criança e do Adolescentes poderiam injetar 300 milhões no RS, todos os anos, suprindo parte das carências econômicas dos educandários e das entidades que atendem o contraturno. Esses já estão comprometidos com o Fisco Federal e ficarão em Brasília. O contribuinte tem a prerrogativa de transferi-los para uma entidade local. Até 30 de abril, segunda-feira próxima, os contribuintes pessoas físicas ainda podem doar (direcionar) 3% do seu imposto de renda devido, indicando uma entidade de sua preferência constante do rol dos Fundos Municiais e Estadual da Criança e do Adolescente. No caso de Porto Alegre, procure o endereço www.funcriancapoa.procempa.com.br, e faça sua doação.
Do Movimento Contra a Evasão Escolar
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia