Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Notícia da edição impressa de 03/04/2018. Alterada em 02/04 às 21h24min

Importação de automóveis cresce 48% após fim do Inovar Auto

No primeiro trimestre, entraram 50.876 carros estrangeiros no País

No primeiro trimestre, entraram 50.876 carros estrangeiros no País


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Sem o programa Inovar Auto, que sobretaxava compras de automóveis de fora do Mercosul e do México, a importação de automóveis cresceu 48% no primeiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período do ano passado, informou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Nos três primeiros meses do ano, o Brasil importou 50.876 veículos de passageiro, contra 34.342 unidades no primeiro trimestre de 2017.
Em valores, o País importou US$ 922 milhões em automóveis de passageiros de janeiro a março, alta de 76% na comparação com os US$ 540 milhões importados no mesmo período de 2017. Atualmente, o governo negocia um novo regime automotivo, o Rota 2030, que não foi anunciado até agora.
De 2012 a 2017, o Inovar Auto cobrou alíquota adicional de 30 pontos percentuais de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de veículos produzidos fora do Brasil. A exceção ficou por conta de Argentina e México, com os quais o Brasil estabeleceu cotas de importação que podiam escapar da sobretaxa. Com o término do Inovar Auto, no fim do ano passado, os demais países passaram a vender carros para o Brasil em condições de igualdade com México e Argentina. Mesmo assim, esses dois países concentraram 60% do crescimento das importações de veículos neste ano.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia