Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Síria

Notícia da edição impressa de 26/03/2018. Alterada em 25/03 às 21h30min

Centenas de rebeldes deixam mais um bolsão de Ghouta Oriental

O comboio que saiu de Ghouta Oriental era composto por cerca de 900 pessoas

O comboio que saiu de Ghouta Oriental era composto por cerca de 900 pessoas


Abdulmonam EASSA/AFP/JC
Centenas de rebeldes e civis sírios deixaram, ontem, a bordo de um ônibus, um segundo bolsão da região sitiada de Ghouta Oriental, nos arredores da capital Damasco. A saída ocorre após os opositores de Bashar al-Assad, que, há anos, estão em conflito com o regime que governa o país e vêm sendo alvo de bombardeios pesados nas últimas semanas, aceitarem deixar enclaves rebeldes em diversas cidades e vilarejos.
O comboio que saiu de Ghouta Oriental era composto por cerca de 900 pessoas. Sábado, já haviam deixado a região aproximadamente mil rebeldes, familiares dos combatentes e outros civis. Os ônibus que partem da região sitiada têm, como ponto final, a cidade de Idlib, um outro enclave rebelde.
O regime de Bashar al-Assad está dando a rebeldes e a civis homens as opções de baixar as armas e se alistar no serviço militar ou partir com suas famílias das regiões ocupadas no entorno da capital e de outras cidades grandes para enclaves de oposição em outras partes da Síria. Essa última tem sido a escolha de milhares de pessoas, que temem servir ao Exército ou ser presas pelos serviços de segurança do governo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Centenas de rebeldes deixam mais um bolsão de Ghouta Oriental - Jornal do Comércio
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Síria

Notícia da edição impressa de 26/03/2018. Alterada em 25/03 às 21h30min

Centenas de rebeldes deixam mais um bolsão de Ghouta Oriental

O comboio que saiu de Ghouta Oriental era composto por cerca de 900 pessoas

O comboio que saiu de Ghouta Oriental era composto por cerca de 900 pessoas


Abdulmonam EASSA/AFP/JC
Centenas de rebeldes e civis sírios deixaram, ontem, a bordo de um ônibus, um segundo bolsão da região sitiada de Ghouta Oriental, nos arredores da capital Damasco. A saída ocorre após os opositores de Bashar al-Assad, que, há anos, estão em conflito com o regime que governa o país e vêm sendo alvo de bombardeios pesados nas últimas semanas, aceitarem deixar enclaves rebeldes em diversas cidades e vilarejos.
O comboio que saiu de Ghouta Oriental era composto por cerca de 900 pessoas. Sábado, já haviam deixado a região aproximadamente mil rebeldes, familiares dos combatentes e outros civis. Os ônibus que partem da região sitiada têm, como ponto final, a cidade de Idlib, um outro enclave rebelde.
O regime de Bashar al-Assad está dando a rebeldes e a civis homens as opções de baixar as armas e se alistar no serviço militar ou partir com suas famílias das regiões ocupadas no entorno da capital e de outras cidades grandes para enclaves de oposição em outras partes da Síria. Essa última tem sido a escolha de milhares de pessoas, que temem servir ao Exército ou ser presas pelos serviços de segurança do governo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia