Coletivo alia a indústria com a pesquisa acadêmica Coletivo alia a indústria com a pesquisa acadêmica Foto: Carlos Sillero/Divulgação/JC

Coletivo de empresas de moda sustentável é lançado em Porto Alegre

Abre também a primeira loja de multimarcas sustentáveis da Capital

Lançado nesta terça-feira (13), o Coletivo Viés – Moda Sustentável, une 13 marcas e oito pesquisadoras da área, a fim de reforçar a presença do setor no Rio Grande do Sul e impulsionar a sustentabilidade econômica das empresas.
A data também marca a inauguração da primeira loja de multimarcas sustentáveis do Rio Grande do Sul, a Shopcontextura, na Rua Armando Barbedo, 1091, no Bairro Tristeza em Porto Alegre, que deve operar também como e-commerce. Agregando as marcas do Coletivo Viés, a loja atenderá o público final e também lojistas interessados em comercializar os produtos baseados no slowfashion. A abertura oficial ocorre hoje, às 17h.
“A sustentabilidade tem muitos braços além do ambiental. Quando começamos a conversar, vimos que todos estavam buscando a sustentabilidade econômica também”, considera Anne Anicet, pesquisadora de moda da UniRitter e uma das empreendedoras da marca de roupas e acessórios de resíduos têxteis Contextura, uma das marcas do Coletivo Viés.
A iniciativa teve origem no Fashion Revolution Day (ação mundial que propõe maior transparência na cadeia produtiva da moda), que ocorreu na UFRGS, em abril. A partir deste encontro, as empresas puderam se conhecer e trocar ideias sobre o desenvolvimento sustentável aplicado à moda, e tomaram a iniciativa de se juntar num projeto mais amplo.
Além disso, o grupo trata de reunir indústria e academia com a presença de pesquisadoras do tema ligadas à universidades. “A gente acha super importante unir esta parte acadêmica com a prática, para que a indústria não ande para um lado e a academia para o outro, como costuma acontecer. Acaba que as partes não conversam”, explica Anne.
Conheça abaixo as marcas do Coletivo Viés:
Apoena
Do tupi-guarani Apoena, aquele que enxerga longe, nasceu, há um ano, uma marca autoral e artesanal de bolsas. Sob as mãos da estilista Maiara Andressa Bonfati, de sua sócia Neiva Terezinha Bonfati Rosa e da artesã Angélica Massoni tecem-se criações feitas das fibras das folhas de butiá e de tecidos ecológicos. Os produtos da empresa de Giruá (RS) são vendidos em feiras e pelo site www.apoenabolsas.com e agora também estarão no Shopcontextura.
Aurora Moda Gentil
Há um ano e meio, a designer Érica Arrué Dias decidiu resgatar o trabalho artesanal afetivo em uma homenagem à avó Zeli, uma brilhante tricoteira. A marca valoriza uma matéria-prima abundante no Estado, a lã natural, além de tecidos reciclados em algodão orgânico e fios de pet. As peças de moda feminina são confeccionadas em Dom Pedrito (RS) e assinadas por cada artesã. Os produtos da Aurora estão nas lojas Padorga, Refúgio Urbano, Pra Presente, no Shopcontextura e no site.
Brick de Desapegos
Com uma proposta que já virou tradição no calendário de eventos de moda de Porto Alegre, a publicitária Natalia Sousa Guasso faz do Brick de Desapegos uma verdadeira plataforma da moda sustentável. A ideia, criada em 2011, traz, além da feira itinerante, que trabalha com desapegos e brechós, espaço para debates, oficinas e trocas de informações e serviços relacionados à sustentabilidade. A cada edição mensal do evento, dezenas de marcas e centenas de visitantes experienciam uma forma de consumo mais consciente.
Capim Lab
A estilista e mestre em sociologia Gisele Franke propõe a moda além do vestir. A partir dessa proposta, produz vestuário feminino e acessórios com tecidos de reuso, reciclados e algodão agroecológico. Também instiga a reflexão no Blog da Capim, com artigos sobre moda e consumo consciente. Os produtos são peças únicas desenvolvidas com técnicas artesanais, como bordado e serigrafia manual, produzidas pela própria estilista, e estão no www.capimlab.com.
Clau
Moda sustentável com identidade afro-brasileira. Essa é a essência da marca criada pela historiadora e designer Claudia Renata Pereira Campos. A Clau faz tudo, desenha as estampas, modela, risca e costura. Só terceiriza a sublimação, uma etapa para estampar tecidos. Em itens de vestuário e acessórios utiliza malhas, tecidos e jeans feitos a partir de pet. Para vender suas criações, participa de feiras de economia criativa. Seus produtos também estão na loja Cada Qual (SP) e no site www.claustampas.com.br.
Contextura
Mãe e filha inspiradas pela sustentabilidade. Pesquisadoras e professoras de design e moda, Evelise e Anne Anicet têm na Contextura seu laboratório de experiências para criar produtos com inovação artística e tecnológica. Há 6 anos, utilizam o reaproveitamento de materiais em colagens têxteis e desenvolvem imagens autorais impressas digitalmente sobre tecidos de pet reciclado e poliéster em moda feminina e masculina. Suas criações estão na Rua Armando Barbedo, 1091, em Porto Alegre, e também no www.shopcontextura.com.
Devaneio
A artista visual Cacau Weimer criou a Devaneio, no ano passado, em São Leopoldo. A marca segue uma proposta de valorização do trabalho artesanal, sustentável e independente. Com uma linha de papelaria e acessórios, ela e a mãe Elaine Weimer confeccionam peças praticamente exclusivas a partir do reaproveitamento de couro, papeis e tecidos. Para vender seus produtos, utiliza redes sociais, onde se apresenta como Devaneio (@devaneiohandmade), e participa de feiras.
Envido
A paixão pela moda e a preocupação com a sustentabilidade levaram as irmãs Mariana Duda e Lívia Duda a lançarem uma marca que respeita a natureza e contribui para um mundo mais justo. A Envido propõe uma moda feminina com design minimalista, feita a partir de tecidos reciclados, orgânicos e biodegradáveis. As peças estão no atelier da Rua Pelotas, 370, em Porto Alegre, e também aqui e aqui
Matiz
Depois de um longo período de gestação, o casal de designers Pedro Benites e Livia Dall’Agnol criou uma marca que leva a sustentabilidade para a infância. A Matiz nasceu no final de 2015 e vem conquistando o Brasil com itens sustentáveis, sem gênero e com produção justa. As peças para bebês em algodão orgânico trazem temas como mobilidade, adoção de animais, alimentação saudável e igualdade racial, e podem ser encontradas em lojas de Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro.
Nume
A Nume, de Christiane Rockenback, foi criada há dois anos em Porto Alegre. Formada pelo Senac Moda, a designer propõe um estilo minimalista e rústico, com peças femininas atemporais. Suas produções são elaboradas em tons neutros e em tecidos de origem vegetal, como o linho, o algodão e a viscose. Sua proposta é expressar a beleza através da simplicidade. As roupas da Nume já foram vendidas para o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.
Preza
A designer Martina Seibel e o estudante de design Rodrigo Cury se uniram para dar um novo significado à madeira. Juntos criaram, no final de 2014, a Preza, marca que desenvolve óculos de madeira feitos a mão, a partir do conceito de upcycling, com excedentes das indústrias moveleiras e têxteis. Com projetos colaborativos, seus produtos conquistaram vários Estados e já chegaram à Europa. Também estão nas franquias da Enzo Milano, Gverri Stote, Loja Róca, Museu da PUC e Shopcontextura.
SUEKA
Uma marca sem rótulos, sem gênero, e que valoriza a mão de obra e o comércio justos. A SUEKA carrega a sustentabilidade na essência da empresa e de seus sócios Tainá Gross e Rodrigo Kronbauer. Lançada em Lajeado em 2015, a marca desenvolve camisas e camisetas em quantidades limitadas e com estampas exclusivas em algodão e algodão orgânico. Os produtos já chegaram ao mercado externo e são vendidos em eventos de rua, pelo site www.sueka.com.br.
The Blue Crafters
O administrador Tiago da Veiga de Lima Prosperi se inspirou na proposta de Yvon Chouinard, um dos precursores no desenvolvimento de roupas sustentáveis, para lançar a The Blue Crafters. Criada em 2015, a empresa produz camisetas e vestidos orgânicos, éticos e atemporais. A matéria-prima é o algodão orgânico certificado pela GOTS - Global Organic Textils Standards, um tecido natural e sustentável. A marca está presente na feira agroecológica de Canela.
Compartilhe
Comentários ( 1 )
  1. ANDREIA RIBEIRO SILVA

    Oi...tenho umas 20 calas jeans para doar.....para quem gosta de reciclar. Jeans feminino e masculino. Se alguem se enteressar o meu e mail [email protected] Andreia

Artigos relacionados
Publicidade
Newsletter

HISTÓRIAS EMPREENDEDORAS PARA
VOCÊ SE INSPIRAR.

Receba no seu e-mail as notícias do GE!
Faça o seu cadastro.





Mostre seu Negócio