Porto Alegre, terça-feira, 26 de abril de 2016. Atualizado às 23h06.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
12°C
14°C
6°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5180 3,5200 0,81%
Turismo/SP 3,4500 3,6300 1,35%
Paralelo/SP 3,4500 3,6300 1,35%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

MUSICAL Notícia da edição impressa de 27/04/2016. Alterada em 26/04 às 19h11min

Festa com o Rei do Baião

MAGALI MORAES /DIVULGAÇÃO/JC
Gonzagão - A Lenda com direção de João Falcão se apresenta no Parque da Redenção

Michele Rolim

Luiz Gonzaga, de Norte a Sul do Brasil, é conhecido como o Rei do Baião. A partir do imaginário popular nordestino, surgiu o musical Gonzagão - A lenda, que estreou em 2012, em homenagem ao centenário do músico, que faleceu em 1989. O musical será apresentado neste sábado, às 19h, em Porto Alegre, no Parque da Redenção (próximo ao espelho d'água), com entrada franca. Em caso de chuva, o espetáculo será cancelado.
Para contar a história do autor da clássica Asa branca, o diretor João Falcão reúne no palco oito atores e uma atriz. Há uma metalinguagem no espetáculo: é uma trupe de teatro em um futuro imaginário que conta a história do músico. Portanto, realidade e fantasia se misturam em uma narrativa na qual o diretor se permite tratar mais sobre o mito do que sobre o homem. Admitindo diversas "licenças poéticas".
Na trama, há coisas ficcionais, como um desafio entre o Rei do Baião e o Rei do Cangaço, ou então fatos documentais, como quando ele aprendeu a tocar sanfona com seu pai, Januário; sobre a criação do baião; e ainda sobre sua ida para o Rio de Janeiro e um encontro com o filho, Gonzaguinha.
Como acontece com uma lenda, a vida de Luiz Gonzaga tem momentos em sua biografia que não são consenso entre estudiosos e amigos. Além das inúmeras biografias lidas pelo diretor, serviu de material também o show no Teatro Tereza Rachel, em Copacabana, Luiz Gonzaga volta pra curtir, de 1972. Nele, Luiz Gonzaga conta diversos causos.
Depois desse show, ele passou a ser curtido por uma nova geração de músicos, cantores e compositores. "Luiz Gonzaga foi um cara que ajudou muito a identidade nordestina. Foi ele que ligou as manifestações culturais do Nordeste a uma festa, porque até então a identidade era caracterizada pela seca e pela tristeza, e mesmo quando ele canta a tristeza, por conta da levada dançante, acaba virando uma festa", opina João Falcão.
Quem interpreta Gonzagão é Marcelo Mimoso. Filho de sanfoneiro, Mimoso era taxista, cantor de forró e nunca havia assistido a uma peça antes de ser convidado para fazer parte do musical. Ele, que foi descoberto por Falcão em uma noite em que se apresentava em um bar da Lapa, canta a maior parte do repertório do espetáculo, que reúne cerca de 40 canções, entre elas sucessos como Cintura fina, O xote das meninas, Qui nem jiló, Baião e P.
Os músicos tocam ao vivo os três instrumentos típicos do baião (sanfona, zabumba e triângulo), além de rabeca, viola e violoncelo. A direção musical é de Alexandre Elias.
Falcão conta que essa foi uma das partes mais difíceis do espetáculo: a escolha do repertório. As músicas não são apresentadas em ordem cronológica, mas se encaixam na trama para ilustrar a história. "Muitas músicas eu queria que estivesse de todo o jeito e procurava alguma coisa na história dele que pudesse encaixar na música. O contrário também ocorria, as vezes, eu tinha uma situação e ia procurar na obra do Luiz Gonzaga músicas que correspondiam a este momento", explica o diretor e também dramaturgo.
Há tempos, o realizador flerta com as tradições nordestinas no palco e na tela. Em O auto da compadecida (2000) e O Coronel e o Lobisomem (2005), ele foi o responsável pelo roteiro e atuou também como diretor no filme A máquina (2005).
Natural também do interior de Pernambuco, Luiz Gonzaga povoou o imaginário de Falcão desde a sua infância. "A maior festa que tinha não era Natal ou Carnaval, e sim São João. Desta data, as recordações são muito mais fortes", conta Falcão.
Gonzagão - A lenda já tem diversos prêmios na bagagem, entre eles o Prêmio Shell de Teatro 2012 de Melhor Música.
A continuidade do trabalho realizado nesse espetáculo deu ao conjunto de atores a possibilidade de formar uma cia teatral. A Barca dos Corações Partidos - Companhia Brasileira de Movimento e Som já possui mais duas peças musicais em seu repertório: Ópera do malandro, de Chico Buarque, também com direção de João Falcão, e Auê, com direção de Duda Maia.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo