Porto Alegre, sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
25°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
952488
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
952488
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
952488
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Direitos Humanos Notícia da edição impressa de 26/07/2012

Números da saúde traduzem desigualdade racial

Enquanto 8,2% das crianças brancas menores de cinco anos com vírus HIV morrem, o percentual entre as negras salta para 54%
MARCO QUINTANA/JC
Elaine Soares apresentou os dados em seminário realizado ontem na Capital
Elaine Soares apresentou os dados em seminário realizado ontem na Capital

Em Porto Alegre, entre 2001 e 2008, houve uma queda no índice de mortalidade entre as mulheres brancas em idade fértil (dos 13 aos 49 anos), de 38,6 para 36 a cada dez mil casos.  Já entre as negras, o aumento foi de 57,4 para 74,7. Números alarmantes como esses foram divulgados ontem pelo setor de Saúde da População Negra da prefeitura, durante o seminário Reflexões sobre o Dia Internacional da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, celebrado em 25 de julho. O encontro debateu a participação feminina na luta pela promoção da igualdade racial.

Coordenadora do grupo e enfermeira da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) da Capital, Elaine Oliveira Soares apresentou o resultado das pesquisas e do serviço em campo. Para ela, os dados comprovam, cada vez mais, que as mulheres de raça negra ainda vivem em vulnerabilidade social, sofrem com várias formas de racismo e não enxergam oportunidades no mercado de trabalho. “Meninas negras têm como modelo mães que não cursaram o Ensino Superior”, fala a enfermeira, contextualizando que, em 2011, a quantidade de adolescentes negras grávidas foi quase o dobro do registrado entre as brancas.

Outra informação alarmante da SMS é que, enquanto 8,2% das crianças brancas menores de cinco anos portadoras do vírus HIV morrem, o número entre as negras salta para 54%. Uma das justificativas é a vulnerabilidade social.

Elaine vem batalhando também por atitudes simples que podem produzir mudanças de comportamento importantes. E dá o exemplo: nos encontros de aleitamento materno oferecidos à comunidade, só havia bonecas brancas. A coordenadora solicitou e agora aguarda a chegada de bonecas negras, “o que gera até maior autoestima entre as participantes”, alega.

Para que essas pesquisas sejam cada vez mais precisas, o cidadão que for se cadastrar para utilizar o cartão do SUS, por exemplo, terá que preencher sua raça/cor. “Tudo isso demonstra, mais uma vez, a urgência de políticas destinadas para negros com equidade segundo a raça/cor”, diz Elaine.

Como meio de estimular a implementação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra e combater o racismo, a SMS criou o prêmio Promoção da Equidade em Saúde - Saúde da População Negra. Uma viagem para Moçambique é o que ganharão os autores de projeto com caráter permanente para a interação entre servidor e usuário.

COMENTÁRIOS
Luiz - 26/07/2012 - 11h40
Criar dias homenageando pessoas de cor negra, vermelha, amarela, etc da a entender que o Brasil é dividido em raças, o que bem sabemos não ser. A comparação de atendimento a saúde e a educação entre brancos e afrodescendentes é infeliz, pois passa a ideia de que os brancos são privilegiados. Esses, TALVEZ, mais esforçados, mas nunca privilegiados. As escolas, os postos de saúde, a televisão estão à disposição de quem se interessar. Se pessoas de um segmento da sociedade, independente de cor, raça, etc. não se atentam as necessidades e prioridades da saúde e da educação, não significa, que somente os brancos são bem atendido e/ou privilegiados


GRUPO DE AÇÃO AFIRMATIVA AFRODESCENDENTE -
27/07/2012 - 14h38
PERGUNTO AO LUIZ EM QUE MUNDO ELE VIVE, E SE CONHECE A NOSSA HISTÓRIA, POIS SE VOCE TIVER UM POUCO DE CUIDADO E ATENÇÃO NAS SUAS LEITURAS VERAS QUE O POVO NEGRO QUE AQUI ESTA HOJE SÃO HERDEIROS DE UMA DIÁSPORA FORÇADA E QUE O POVO BRANCO DESDE DE CHEGOU A ESTA TERRA TEVE PRIVILÉGIOS. MEUS ANTEPASSADOS ENRIQUECERAM OS BRANCOS COM SEU SANGUE. hoje DEIXAMOS DE SER CATIVOS RACIAIS PRA NOS TORNARMOS REFÉNS SOCAIS. E AINDA TEMOS QUE LER ARGUMENTOS FALIDOS COMO ESTES VALEU ELAINE SÓ MOSTRANDO ESTA REALIDADE É QUE SEREMOS VISTOS COMO CIDADÕES DE DIREITO E DE FATO


Claudio Rodrigues -
27/07/2012 - 22h33
Caro Luiz, não podemos mascarar a discriminação e o preconceito vivido pela população negra, atente-se mais sobre o tema, se você fizer um pouquinho de esforço verá que a população negra está sendo desimada por grupos paramilitares e até pelo estado através das polcias, vai me dizer que tudo que é negro é ladrão, não nem tudo que é branco, mas as vítimas desse genocídio são todos negros!!! Então demagogia tem limites e hora... Veja http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=_bnFQAncpxM

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Texto será levado aos parlamentares para sensibilizar contra o Projeto de Lei nº 6.583/2013
Entidades lançam manifesto contra o Estatuto da Família que tramita no Congresso
Bakof diz que acessibilidade depende de aceitação de diferenças
Acessibilidade passa por alterações de comportamento
Rafael Franzini, do Unodc, defende avaliação profunda sobre o tema
Priorização da saúde e da prevenção é tendência internacional no combate às drogas
Número de refugiados no Brasil dobra em quatro anos e chega a 8,4 mil
Nos últimos quatro anos, o número de refugiados no Brasil praticamente dobrou, passando de 4.218, em 2011, para 8.400, em 2015