Porto Alegre, quinta-feira, 19 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
20°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1620 4,1640 1,43%
Turismo/SP 4,0900 4,3300 1,40%
Paralelo/SP 4,1000 4,3400 1,40%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
706602
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
706602
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
706602
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 06/07/2012

Questão de prestígio

É fácil ver quem está bem com o governo. O líder do partido que está com uma boa relação com o Planalto geralmente consegue muito dinheiro. Para se ter uma ideia, o líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), conseguiu que fosse empenhado R$ 5,3 milhões em emendas parlamentares em 2012. Só as emendas dele foram responsáveis por 19,36% dos R$ 27,7 milhões liberados para os líderes. Já Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), líder da legenda com a segunda maior bancada na Câmara, ficou em 5º lugar, conseguindo empenhar apenas R$ 2,6 milhões. Já os líderes dos partidos que não estão na base, como o DEM, o PSDB, o PPS, o P-Sol e o PR, somados, conseguiram empenhar zero real.

A pão e água

O cientista político da Universidade de Brasília Lucio Rennó, em seu artigo intitulado “O que é que o reeleito tem?”, aponta um fator de peso para reeleger parlamentares: as emendas. “O que importa para o parlamentar ter sucesso na reeleição é conseguir que o Executivo, de fato, implemente suas emendas e projetos locais, e não apenas aprove emendas na Lei Orçamentária Anual, esperando, com isso, garantir crédito e reconhecimento dos líderes e bases locais”, escreveu. Rennó apontou isso, algo que o governo já sabe. “Em relação às emendas parlamentares, o governo trata a oposição a pão e água e mantém os aliados mais problemáticos à distância. O 5º lugar, de Henrique Eduardo Alves, é uma espécie de castigo”, afirmou o cientista político da Universidade de Brasília Paulo Kramer.

Frente da suinocultura

Preocupados com a situação dos criadores de suínos, os deputados do PP Vilson Covatti e Luis Carlos Heinze, além da senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS), entregaram ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), um pedido para criar a Frente Parlamentar em Defesa da Suinocultura. Com a adesão de diversos parlamentares, a frente deverá ser lançada na próxima semana. “A classe dos suinocultores vive o pior momento da história. Sofre prejuízos com os altos custos de produção, baixo valor pago pelo suíno e também pelos embargos ao produto brasileiro por países importadores”, comentou Covatti, que será presidente da frente.

Errata

A coluna publicou, na quinta-feira, na nota “Presença em plenário” que houve 159 sessões deliberativas neste semestre. Até ontem, se contar apenas o primeiro semestre de 2012, foram 53 sessões. As outras 106 foram realizadas em 2011. Assim, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que teve 49,1% de presença em 2012, fica com 69,8% de presença nas 159 sessões.

Curta

O ex-sócio da construtora Delta Fernando Cavendish e o ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) Luiz Antônio Pagot foram convocados a prestar depoimento na CPMI do Cachoeira.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Orçamento impositivo frustrado
Uma das propostas de emenda à Constituição que causou mais euforia nos parlamentares e mais medo no governo
Fim dos lixões adiado
Termina no ano de 2014 o prazo para a implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos
Correria dos últimos dias
Os últimos dias do ano são de correria para os deputados e os servidores dos ministérios
Velhas raposas