Porto Alegre, segunda-feira, 14 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
24°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1250 4,1270 0,75%
Turismo/SP 4,0900 4,3360 0,88%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 0,93%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
192028
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
192028
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
192028
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
adaooliveira@hotmail.com

Conexão Política

Coluna publicada em 06/07/2012

O irascível Ciro Gomes

Ciro Gomes voltou. Depois de submergir por um longo período, ele reapareceu chutando o pau da barraca. Desde a última eleição presidencial, o cearense inquieto se mantinha à margem dos acontecimentos políticos. Ciro, então cacique do PSB, tentou ser o candidato de Lula à sua sucessão. Não conseguiu. Lula o preteriu por Dilma Rousseff, depois de levar o PT a fazer uma aliança com o PSB para enfrentar o PSDB de José Serra. Ciro ficou irritadíssimo e profundamente magoado. Rompeu com Lula, com Dilma e com o presidente nacional de seu partido, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Depois disso, recolheu-se à clandestinidade. Saiu agora para revolver o passado.

Sem papas na língua, como sempre, Ciro acusa o PT de ter aniquilado sua vida pública, ao lembrar que o PSB abriu mão de sua candidatura a presidente para apoiar o PT de Dilma Rousseff: “Eu era o quadro mais experiente e o mais qualificado das possibilidades de candidatura na eleição passada. Estava em segundo lugar nas pesquisas, e o partido retirou minha candidatura para apoiar a candidata Dilma. A goela do PT ficou maior do que a cabeça”. Para Ciro, “o PT sempre quer vassalagem, o ‘vem a nós’. Mas, ao contrário do que o PT pensa, aliança não é para liquidar o companheiro”. Virgem! A metralhadora giratória de Ciro Gomes não parou aí. Agora ela foi apontada até para o provável candidato do PSDB à presidência da República, o mineiro Aécio Neves. Semana passada, Ciro Gomes e o prefeito Marcio Lacerda tiveram um encontro reservado em Brasília, na casa do senador Aécio Neves, para tratar da eleição em Belo Horizonte.

Ciro saiu do encontro muito mal impressionado com Aécio: “Ele não pode brigar por coligação de vereador em Belo Horizonte. Grande parte da opinião brasileira dá a ele a possibilidade de ser um quadro nacional. Se ele tem essa missão histórica no futuro, não pode ficar cuidando de aliança de vereador e botando a faca no pescoço de aliados como eu, que sempre fui aliado incondicional dele”. Como se vê, o temperamento forte de Ciro Gomes continua inviabilizando suas relações políticas. É uma pena! Ciro é um político jovem, preparado, mas com um “pavio muito curto”. Por qualquer razão que o desagrade, ele bota tudo a perder. Por tudo isso, hoje - apesar de ser um bom quadro - ele é um personagem periférico da política brasileira.

Implosão

A CPMI do Cachoeira aprovou a convocação de Luiz Pagot, ex-diretor-geral do Dnit, e de Fernando Cavendish, ex-presidente da Construtora Delta, para que prestem depoimento à comissão. Duvido que eles falem tudo o que sabem. Se falarem, cai o governo, fecha o Congresso e abala os alicerces do Supremo Tribunal Federal.

Perigo

Senadores que fazem parte da CPMI do Cachoeira pensaram melhor e desistiram de visitar o empresário na Penitenciária da Papuda, em Brasília. Quem não é visto, não é lembrado!

Inveja

Fecho com o governador Tarso Genro. Ninguém precisa saber quanto ganha determinado funcionário público. No popular: Isso só serve para fofoca, intriga e inveja. Que benefício esse tipo de informação trará para a sociedade?

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
O nível vai baixar!
Depois da vitória esmagadora na pré-convenção do PMDB, no sábado, José Ivo Sartori tirou o domingo para descansar e refletir
‘Basta! Chega de violência’.
A crescente onda de violência, que iniciou em junho do ano passado, atingiu o nível de insuportável
As ideias do PMDB
O tal expediente consiste numa troca de interesses entre o Planalto e a base de sustentação da presidente da República no Legislativo
Tarso quer Zambiasi