Porto Alegre, segunda-feira, 14 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
24°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1250 4,1270 0,75%
Turismo/SP 4,0900 4,3360 0,88%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 0,93%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
209064
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
209064
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
209064
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Voo 447 Notícia da edição impressa de 06/07/2012

Relatório final aponta falhas humanas no acidente do Voo 447

Das seis causas apresentadas para o acidente, cinco estão relacionadas aos pilotos
PATRICK KOVARIK/AFP/JC
Conforme Bouillard, tripulação quase perdeu o controle da aeronave
Conforme Bouillard, tripulação quase perdeu o controle da aeronave

A investigação francesa sobre a queda do avião da Air France no Oceano Atlântico, em 2009, concluiu que uma combinação de erros de pilotos mal treinados e problemas no equipamento causaram a tragédia, que matou todas as 228 pessoas a bordo. O relatório final sobre o voo 447, que ia do Rio de Janeiro para Paris, lista “fatores técnicos e humanos” que estiveram por trás do acidente.

Após três anos de investigação, o Bureau d’Enquêtes et d’Analyses (BEA), agência de segurança da aviação civil da França, recomenda melhor treinamento de pilotos e regras de certificação de aviões mais estritas. Em uma “decisão fatal”, diz a agência, um dos copilotos empinou o nariz do Airbus 330 para cima quando o avião começou a perder sustentação - em vez de para baixo, como deveria - por causa de dados errôneos sobre a posição do avião vindos dos sensores. A tragédia aconteceu durante a noite, em meio a uma tempestade.

O investigador-chefe do caso, Alain Bouillard, disse que os pilotos não entenderam que o avião estava em estol (perdendo sustentação). Ele afirmou que apenas uma tripulação experiente e com claro entendimento da situação poderia ter estabilizado o avião naquelas condições. “Nesse caso, a tripulação estava em um estado de perda quase total do controle”, afirmou Bouillard.

O relatório afirma que foram seis as causas principais que levaram ao acidente. Entre elas, cinco estão relacionadas às atitudes tomadas pelos três pilotos do Airbus A330-200. O relatório consolidou as informações já divulgadas em três relatórios parciais e apresentou 25 novas recomendações de segurança. Junto com as outras já emitidas pelo órgão no decorrer da investigação, elas serão enviadas para instituições de aviação em todo o mundo para que problemas ocorridos no voo não sejam repetidos. Entre as recomendações, o BEA indica a necessidade de melhorar a formação prática e teórica dos pilotos comerciais e melhorar a integração entre as equipes de pilotagem, para que saibam como agir coordenadamente em situações de emergência.

De acordo com o documento apresentado em Paris, não havia uma divisão clara de tarefas entre o comandante Marc Dubois, 58 anos, e os copilotos Pierre-Cedric Bonin, 32, e David Robert, 37, principalmente na ausência de Dubois na cabine da aeronave. O BEA também emitiu recomendações técnicas, como a necessidade de melhorar os simuladores de voo, para reproduzirem mais fielmente as condições reais de pilotagem, e mudanças no funcionamento dos alarmes de estol, para que os avisos sonoros sejam acompanhados de indicações visuais.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR