Porto Alegre, terça-feira, 15 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
13°C
24°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1250 4,1270 0,75%
Turismo/SP 4,0900 4,3360 0,88%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 0,93%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
162659
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
162659
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
162659
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt
a_hohlfeldt@yahoo.com.br

Teatro

Coluna publicada em 06/07/2012

Leitura inovadora e entusiasmante de Cabaret

A temporada de Cabaret em Porto Alegre, graças à Opus, ocupando condignamente o palco do Teatro do Sesi, foi não apenas uma celebração e uma alegria, mas também uma grande e positiva surpresa.

É evidente que, para todos os que haviam assistido e admiravam o filme de Bob Fosse, com a inesquecível interpretação de Liza Minelli, conhecer a versão teatral, produzida no Brasil, apresentava um evidente desafio: fazer com que o espectador conseguisse assistir ao espetáculo sem comparação para com o filme. E este foi o principal e definitivo desafio vencido pelo espetáculo dirigido por José Possi Neto, a partir do texto original de Joe Masteroff, com música de John Kander e Fred Ebb. Primeiro elemento positivo: a versão brasileira a cargo de Miguel Falabella. O texto flui, guarda rimas, mantém ritmo e dá uma outra compreensão ao espetáculo original. Segundo elemento positivo: a produção de Cláudia Raia e Sandro Chaim dão ênfase especial ao drama - isto é, à infelicidade que a chegada do nazismo traz aos indivíduos - e isso, a partir da história da própria Sally Bowles, vivida por Claudia Raia - diante de seu companheiro, o candidato a escritor Clifford Bradshaw, interpretado por Guilherme Magon, que teve a qualidade de se colocar num patamar específico de um personagem que, ao mesmo tempo em que conduz ações, também as sofre, e que, por isso mesmo, é altamente dramático. Numa espécie de ampliação do confronto que acaba se criando entre Sally e Clifford (a gente poderia dizer: mas Sally era assim, era assado...), vamos encontrar outro par de enamorados, mais velhos e vividos, mas nem por isso ela - marcada pelo medo - e ele, caracterizado por uma esperança ingênua: refiro-me à dona da pensão, Fraulein Schneider (interpretada por Liane Maya) e seu companheiro, o vendeiro Herr Schulz (um judeu) que, por sua condição étnica, acaba perdendo a namorada. É a partir destas duas situações, complementadas pela quebra de amizade entre Clifford e o jovem nazista Ernest Ludwig, vivido por Júlio Mancini, que a encenação teatral inverte completamente o padrão desenvolvido pelo filme.

Seja pela presença de Liza Minelli, seja pela leitura proposta por um bailarino, no caso Bob Fosse, o filme centrava na figura da cantora todo o seu desenvolvimento dramático. A peça, ao contrário, centraliza sua tensão nos próprios acontecimentos que são não apenas mostrados em cena mas também, especialmente, narrados pela figura de MC, interpretado por Jarbas Homem de Mello. E é a transformação desta figura, de um tipo leve e cínico, na abertura da peça, e sua modificação simbólica - na abertura do segundo ato, ele já se apresenta crítico e irônico e, então, quando a peça se encerra, ele se mostra com a roupa de prisioneiro, certamente, em um campo de concentração nazista - que nos permite uma leitura do texto em patamar superior e, por consequência, a centralização de todo o espetáculo, nem tanto na figura feminina, e muito mais nesta figura masculina, um patamar eminentemente político e crítico. É óbvio que os fãs de Cláudia Raia esperariam tê-la em destaque, e ela ocupa, evidentemente, um enorme espaço em todo o espetáculo. Mas, na verdade, dramaticamente, é a figura do mestre de cerimônias que nos dá a verdadeira dimensão de profundidade do trabalho e aquele que conduz a ação à reflexão mais consequente. E Jarbas Homem de Mello não se furta a dar ao personagem uma personalização radical e absoluta, que arranca aplausos e entusiasmo de toda a plateia.

Outras atrações, contudo, marcam este trabalho: a presença de uma maestrina (Beatriz de Luca) a comandar a orquestra; a qualidade de todo o conjunto de bailarinos e atores-atrizes; a direção musical de Marcon Araújo, verdadeiramente impecável; a extraordinária coreografia de Alonso Barros que, sem perder de vista algumas passagens de Bob Fosse, soube adequá-las ao espaço do palco; deve-se destacar, ainda, o aparato técnico de iluminação, soberbo, coordenado por Darihel Souza, além da equipe de cenografia, chefiada por Chris e Nilton Aizner, e os vistosos figurinos de Fábio Nataname, com destaque para alguns bons achados como a da macaca, no segundo ato, e as constantes substituições desses mesmos figurinos, com os personagens em cena, como ocorre ao final do espetáculo.

Enfim, um belíssimo espetáculo, maduro e afirmativo, que não nos deixou com saudades do filme.

COMENTÁRIOS
Wagner Luceno - 06/07/2012 - 16h21
Sou coreógrafo, professor e dançarino de Dança de salão. Tive a felicidade de assistir ao Cabaret quando de sua estréia em SP, no teatro Procópio Ferreira. Confesso, fiquei tão emocionado com a grandiosidade deste espetáculo que chorei durante os cinco minutos ininterruptos que o elenco foi aplaudido DE PÉ pelo público. Estão de parabéns todos da produção e claro, todo o elenco principal. Sua síntese sobre o espetáculo foi muito feliz, parabens!!!! Agora estou indo ao RJ para fazer cursos de aperfeiçoamento em minha área da dança, e já comprei pela internet ingressos para assistir lá no RJ ao Cabaret, novamente...

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
De vento em popa
Tivemos espetáculos emocioantes na primeira metade do Porto Alegre em Cena
Um bom divertimento, não fossem as vizinhas
No elenco, centralizam as atenções Ana Rosa e Umberto Magnani, como os mencionados Elza e Fred do título
Encenação densa e radical de Heiner Müller
O enredo retoma o velho mito de Medeia e a traição de Jasão, levando-a a assassinar aos filhos e à nova noiva do antigo marido
Salão grená mostra grupo entusiasmado
A Companhia Municipal de Dança de Porto Alegre apresentou-se no Theatro São Pedro, festejando seu primeiro aniversário de existência, retomando sua primeira produção, que valoriza a dança de salão