Porto Alegre, quinta-feira, 23 de setembro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
744991
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
744991
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
744991
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Conexão Política Adão Oliveira
[email protected]

Conexão Política

Coluna publicada em 06/06/2012

A influência do PP

O diretório municipal do PP - Partido Progressista - recebeu ontem, no plenarinho da Câmara, os dois candidatos a prefeito mais bem colocados nas pesquisas: os dois, Manuela d’Ávila e José Fortunati, querem ter o PP como companheiro de chapa na eleição de outubro próximo. Os dois candidatos se apresentaram aos convencionais do PP - cerca de 100 pessoas, com um total de 106 votos - mostrando o programa de governo. Por que 106 votos? Porque 6 dos convencionais possuem voto qualificado, com peso 2. São eles: a senadora Ana Amélia Lemos e os quatro vereadores: João Dib, Beto Moesch, João Carlos Nedel e Kevin Krueger, além do deputado Mano Changes. Bem, como eu estava dizendo, cada um deles teve o espaço de 45 minutos para fazer o seu proselitismo.

O primeiro candidato a falar aos convencionais foi Manuela d’Ávila, do PCdoB. José Fortunati ficou por último. Manuela d’Ávila causou a melhor impressão. Ela fez um discurso didático, considerado pelo pessoal do PP como inovador e com visão de futuro, apoiado por alta tecnologia. Ela mostrou o que pretende fazer. Já José Fortunati mostrou o que fez. Foi uma verdadeira prestação de contas. Os que assistiram à exposição de Fortunati consideram que o candidato do PDT cometeu um erro estratégico ao falar do que fez e não do que vai fazer. Em igualdade de condições, o atual prefeito teria perdido pontos para Manuela, neste confronto de ideias. Mas há que se levar em conta que Fortunati “estava em casa”, falando para uma plateia que, na sua maioria, detém cargo em comissão na prefeitura municipal. Portanto, apesar de Manuela ter se saído melhor na explanação, a tendência é que os convencionais do PP decidam, na convenção do próximo dia 11, pela aliança com o PDT, de Fortunati.

Mas, ainda que o resultado seja previsível, “tem muito jogo pela frente”. Os dois lados já estão com gente na rua cabalando votos. A senadora Ana Amélia Lemos, acompanhada dos deputados federais e estaduais, trabalham pela deputada Manuela. Enquanto que a célula progressista municipal e os vereadores, além de arenistas históricos, pedirão votos para José Fortunati. Na próxima sexta-feira, o presidente regional do Partido, Celso Bernardi, vai abrir o seu voto e explicar os motivos de sua decisão. O PP pode ter um peso considerável nesta eleição.

QUEM SABE? A senadora Ana Amélia, que conquistou uma grande votação em Porto Alegre, acha que chegou a hora de o PP voltar ao protagonismo. É, pode ser, mas, seguramente, dividido.

Lei de Acesso à Informação I

O presidente do Centro de Auditores Públicos Externos do Tribunal de Contas do Estado, Amauri Perusso, não ficou satisfeito com a reposta do TCE aos pedidos da entidade para obter dados do Executivo, Ministério Público, Tribunal de Justiça e Assembleia Legislativa. Das cinco solicitações, três foram atendidas. Perusso explica que o objetivo da entidade era “abrir caminho para a sociedade entender como pode buscar informações com a nova lei”.

Lei de Acesso à Informação II

As solicitações negadas à entidade pediam acesso a auditorias sobre o programa Estado na Estrada, do governo Yeda Crusius (PSDB), que era gerenciado pelo Daer, e sobre a folha de pessoal da Assembleia. O TCE explica que, conforme definido em resolução interna, não é possível liberar o acesso a relatórios que ainda não receberam parecer do Ministério Público de Contas. Perusso reclamou: “A lei nasceu para permitir que o cidadão conheça a informação tão logo ela exista, para que se possa fazer um debate qualificado”.

COMENTÁRIOS
Sady Motta - 06/06/2012 - 09h00
Esse PP, feudo do Dornelles é um PMDB bem mais discreto.Mesmo assim não menos fisiológico.Continua entrando nas "contas" das eleiçôes...

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
O nível vai baixar!
Depois da vitória esmagadora na pré-convenção do PMDB, no sábado, José Ivo Sartori tirou o domingo para descansar e refletir
‘Basta! Chega de violência’.
A crescente onda de violência, que iniciou em junho do ano passado, atingiu o nível de insuportável
As ideias do PMDB
O tal expediente consiste numa troca de interesses entre o Planalto e a base de sustentação da presidente da República no Legislativo
Tarso quer Zambiasi