Porto Alegre, segunda-feira, 16 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
28°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1070 4,1090 0,36%
Turismo/SP 4,0400 4,2900 0,74%
Paralelo/SP 4,0500 4,2800 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
139761
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
139761
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
139761
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Israel Notícia da edição impressa de 05/06/2012

Expansão de colônias piora condição de trabalhadores palestinos, diz OIT

MENAHEM KAHANA/AFP/JC
Estudo considera solução negociada para existência de dois Estados “seriamente comprometida
Estudo considera solução negociada para existência de dois Estados “seriamente comprometida

A expansão das colônias judaicas nos territórios árabes ocupados é uma das principais causas da precariedade sofrida por trabalhadores palestinos, sustenta a OIT (Organização Internacional do Trabalho) em um relatório apresentado ontem.

No documento sobre a evolução da situação laboral nesses territórios durante o último ano, a organização assinala que não existe alternativa ao fim de sua ocupação por parte de Israel caso deseje uma melhora na situação dos trabalhadores palestinos.

“A economia palestina alcançou limites (de deterioração) que não podem ser superados sem uma ação em relação aos dois principais obstáculos que enfrenta: a ocupação e a separação”, segundo o relatório divulgado na Conferência Internacional do Trabalho, fórum anual que reúne em Genebra autoridades, representantes de patronais e sindicatos da maioria dos 185 países-membros da OIT.

O documento confirma que a situação dos palestinos continua se deteriorando em termos de emprego, o que é uma constante desde a explosão da segunda Intifada, em 2001. Dez anos depois, o desemprego é mais alto devido particularmente às sérias dificuldades que enfrentam os palestinos para trabalhar em Israel. A taxa de desemprego nesses territórios árabes no ano passado se situou em 21%, mas foi de 32% para os homens jovens e de 53% para as mulheres jovens.

Estes números são alarmantes quando se considera a particularidade que 71% da população tem menos de 30 anos. Por outra parte, o responsável da Missão da OIT para os Territórios Palestinos, Kari Tapiola, disse na entrevista coletiva de apresentação do relatório que desde os Acordos de Oslo (1993) o processo de paz nunca tinha estado em um ponto morto como está atualmente. Considerou que no estado atual do processo político palestino-israelense, a possibilidade de conseguir uma solução negociada que contemple a existência de dois Estados “está seriamente comprometida”.

“Há um ano havia expectativa, a Assembleia Geral da ONU tinha reconhecido o Estado palestino e a dinâmica fazia pensar que se passaria a um nível superior, mas isto não ocorreu por uma combinação de intransigência política, incapacidade dos atores externos de ajudar as partes, instabilidade na região e dificuldades para a reconciliação palestina”, explicou.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Presidente Reuven Rivlin sofreu ameaças após condenar ataques
Netanyahu diz que terá 'tolerância zero' com judeus extremistas
Israel pressiona EUA para evitar acordo nuclear com Irã
Funcionários dos EUA já disseram nos últimos dias que o governo de Obama não deve buscar uma nova ampliação do prazo para as negociações
Israel se diz indignado com negociações sobre acordo nuclear com Irã
Autoridades israelenses se disseram indignadas com a postura das seis potências mundiais, que hoje deram um passo a mais na direção a um acordo nuclear com o Irã
Ao ser escolhido para formar novo governo, Netanyahu adota tom conciliador
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, adotou um tom conciliador nesta quarta-feira (25) ao ser formalmente escolhido para formar um novo governo