Porto Alegre, segunda-feira, 09 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
34°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1570 4,1590 0,31%
Turismo/SP 4,1000 4,3520 0,86%
Paralelo/SP 4,1100 4,3500 0,68%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
136263
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
136263
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
136263
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

INDÚSTRIA Notícia da edição impressa de 29/05/2012

Excesso de estoque em fábricas cresce

O número de setores que se consideram com estoques excessivos passou de quatro em abril para seis em maio, mostra a Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação, divulgada nesta segunda-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Dos 14 setores analisados, os que se avaliam como superestocados são os minerais não metálicos, mecânico, material de transporte, têxtil, mobiliário e vestuário e calçados. Em abril, material de transporte e mobiliário não faziam parte dessa lista.

A pesquisa da FGV considera um setor superestocado quando o saldo líquido entre o número de empresas que se dizem excessivamente estocadas e o total das que afirmam trabalhar com estoques insuficientes é superior ou igual a 10 pontos percentuais. “O estoque em alta, além da baixa perspectiva de aumento da demanda global, mostra que a indústria de transformação não terá uma recuperação como a esperada para neste ano”, disse o coordenador da sondagem, Aloisio Campelo. “A indústria deve começar o segundo semestre ainda com desempenho ruim.”

O indicador geral de produção prevista, ressaltou Campelo, caiu em maio pela segunda vez consecutiva. “Não há nenhuma sinalização de retomada da produção da indústria em junho e julho”, afirmou. “O estoque ainda deve pesar.”

Campelo observou que a sondagem, realizada em maio, ainda não captou os reflexos das medidas de estímulo ao consumo anunciadas pelo governo federal nem os efeitos da alta do câmbio. “É preciso esperar o resultado de junho para poder avaliar esses efeitos com precisão”, afirmou. O coordenador avalia que o excesso de estoques em alguns setores não chega a ser um problema. É o caso, por exemplo, de minerais não metálicos, mobiliário e de vestuário e calçados. “Como a perspectiva de produção para os próximos três meses nesses setores atinge níveis acima da média dos últimos 60 meses, isso indica uma situação passageira.”

No caso de material de transporte, que inclui a indústria automobilística, a situação é diferente, segundo Campelo, porque a produção prevista ficou em 118 pontos, enquanto a média dos últimos 60 meses é de 137 pontos, ou seja, o setor não acredita em recuperação no curto prazo. O leve aumento da confiança da indústria em maio foi influenciado pela alta do Índice de Expectativas (IE), que avançou 0,9% na comparação com abril, para 103,4 pontos, e atingiu o maior patamar desde junho do ano passado, quando estava em 106,5 pontos. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) de maio passou de 103,3 para 103,4 pontos, uma pequena variação de 0,1%, segundo a FGV. Já o Índice da Situação Atual (ISA) recuou 0,5% e caiu para os 103,5 pontos, na mesma base de comparação. O indicador que mede as expectativas em relação à evolução dos negócios em um horizonte de seis meses atingiu 144,6 pontos, o maior nível desde maio do ano passado (145,5 pontos).

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Usinas destinam 59,9% da oferta de cana à produção de etanol na quinzena
Com isso, o mix relacionado ao etanol passou de 56,06% para 59,99%
Pesquisa revela baixa perspectiva para a indústria gaúcha
O Índice de Confiança do Empresário Industrial de setembro caiu de 37,4 pontos em agosto para 36,6 pontos em setembro, atingindo o segundo menor nível da série histórica iniciada em 2005
Senai assina acordo com instituto alemão para acelerar inovação em indústrias
O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) assinou esta semana um acordo para facilitar as parcerias com a Sociedade Fraunhofer, da Alemanha, formada por 67 institutos de inovação
Índice de produção cai a 42,7 pontos em agosto ante 44 pontos em julho, diz CNI
Os indicadores da pesquisa variam no intervalo de zero a 100, sendo que valores abaixo de 50 indicam evolução negativa