Porto Alegre, segunda-feira, 16 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
18°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0860 4,0880 0,68%
Turismo/SP 4,0100 4,2400 0,47%
Paralelo/SP 4,0200 4,2500 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
132023
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
132023
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
132023
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Histórias do Comércio e dos Serviços Notícia da edição impressa de 07/05/2012

Águia não vê limite no mundo dos pets

FREDY VIEIRA/JC
Pires na companhia de Bah, a mascote da loja
Pires na companhia de Bah, a mascote da loja

A receita do mercado de animais de estimação cresce a uma velocidade anual entre 15% e 20% no Brasil. E a projeção de que o ritmo se manterá neste nível nos próximos 20 anos impõe mais desafios do que tranquilidade a operações como a da porto-alegrense Águia Veterinária & Pet Shop. O sócio e fundador do negócio, que combina varejo e até hospital, o veterinário Antônio Rodrigo de Aguiar Pires, aponta que a qualificação do mix é a meta número um nos próximos anos, antes de cogitar a abertura de filiais no Interior, pedido frequente entre clientes e interessados em explorar o ramo.

Na mira do médico-veterinário formado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), campus de Uruguaiana, está reforçar os serviços, que hoje respondem por 40% do faturamento e ganham cada vez mais importância. Quando surgiu em 1996, a primeira loja Águia causou certo estranhamento. Aberta na esquina da rua Fernandes Vieira com a avenida Osvaldo Aranha, a pet buscava captar a demanda emergente de cuidados dos moradores com seus bichos. “Diziam na época: esse cara é louco. Abrir um ramo totalmente diferente em pleno Bom Fim”, recorda o empresário.

Para montar o ponto, Pires foi a Belo Horizonte conhecer experiências de varejo e venda de medicamentos. Mas o formato mineiro, que permitia venda de itens humanos e veterinários, não se ajustava às regras locais, e o jeito foi combinar noções de autosserviço e exposição de produtos e táticas de venda de uma farmácia convencional (outro segmento explorado por familiares) para abrir o ponto. O veterinário cita que fez pesquisas de mercado na região, apurou as necessidades e identificou a tendência das residências, nos anos de 1990, de agregar os bichinhos ao núcleo familiar.    

Deu certo, e em 2004 surgia a segunda filial, desta vez equipada para atender a demanda de cirurgias e internação. Hoje já há 30 médicos na operação que funciona 24 horas, com 25 leitos e estrutura com laboratório para exames e imagem. “Também teremos tomografia”, avisa o proprietário, que reforça o cuidado com a manutenção e constante atualização. Outra decisão, após a rede ganhar nova componente em 2009, localizada na avenida Cristóvão Colombo, foi especializar a atuação. As pets do Bom Fim e Floresta operam com serviços básicos e varejo. O hospital, que ocupa 800 metros quadrados, avança na assistência à saúde. Com a estratégia, a Águia freia expansões para  crescer verticalmente, melhorando o sistema de atendimento, investindo nos controles, na gestão e na informatização. “Abre bastante pet na Capital, mas também fecha”. Para quem permanecer, a boa notícia é que a expectativa de vida dos animais aumentou, justamente pelo nicho desenvolvido, avisa o dono da Águia.  

Do consultório ao varejo de produtos, o mundo pet como negócio exige até certa dose de psicologia. O veterinário e proprietário conta que muitos problemas que os animais apresentam estão ligados ao estresse e à vida turbulenta dos donos. “O cachorro é muito sentimental. Se o dono não está bem, ele também ficará mal. A gente, às vezes, tem de aconselhar o adulto a mudar o estilo de vida”, comenta aos risos. Efeito colateral dessa relação é que o gato deve desbancar os cães na preferência por pets. Pires diz que pesquisas sinalizam a mudança. “O felino fica mais sozinho em casa e come menos, é mais dado a banho e higiene”, observa. O bom é que os donos costumam ser mais criteriosos nos gastos com acessórios e outras necessidades. Resultado: o mercado de pets não vai perder o fôlego, aposta.

Flopi faz a alegria do segmento

É para clientes como a supervisora escolar Mônica Faber Hansen e seu cãozinho adotado Flopi que a Águia não para de inventar e onde diversifica e engorda seus ganhos. Desde que o bichinho entrou no lar de Mônica, casada e com um filho, em 2011, as visitas à filial da petshop na avenida Cristóvão Colombo são semanais, os gastos religiosos e os quitutes e agrados a Flopi não têm limite. “Ele é nossa fonte de alegria, um companheiro e adora palitinhos vitaminados”, esmera-se a mãe-proprietária, que tira de letra a conta mensal de R$ 200,00 entre banhos, tosas, tratamento para algum problema de saúde, ração premium e brinquedinhos. “É como um filho.

Não importa se o Flopi foi adotado, ele faz parte da família.” No acervo ilimitado de produtos da rede, estão novidades como as medalhinhas gravadas na hora com nome e telefone do dono, rastreador eletrônico (com chip) a R$ 80,00 e carrinhos, além de bebedor automatizado, comedor que abre só na hora em que o bicho se aproxima (para evitar contaminação) e sorvete (disponível na loja-sede da Protásio). O gelado virou febre no último verão.

COMENTÁRIOS
Portal Foco Animal - 07/05/2012 - 21h53
É com exemplos como esse que os nossos animais vão viver melhor a cada dia. Parabéns, o Foco Animal apoia iniciativas desse tipo. Portal Foco Animal www.focoanimal.com.br


Koky -
09/05/2012 - 19h42
Só tenho a agradecer ao atendimento dos médicos e funcionários da loja da Protásio Alves, em especial a atendente Valeria sempre de bem com a vida e o dr. Alexandre.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Relação com os clientes que frequentam o local há décadas é mantida, diz Gitz
Pé de Meia se adapta às mudanças da moda
Segundo Lumertz, cerca de dois refrigeradores antigos passam pelo conserto por mês
Luzitana é referência em assistência para geladeiras antigas
Braga e Bandeira se especializaram em oferecer variedade de rótulos
Bier Markt cativa os amantes das cervejas artesanais
Manoela, Alexandre, Daniela e Patrícia seguem à risca os ensinamentos do fundador
Freire Imóveis tem prazer em atender