Porto Alegre, sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
25°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
955351
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
955351
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
955351
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 04/05/2012

Opinião Econômica - Crescimento econômico está no teto

A meta de crescer 4,5% neste ano é inviável porque chegamos à barreira do PIB potencial da economia

Luiz Carlos Mendonça de Barros

FOLHAPRESS/JC
Barros é economista-chefe da Quest, ex-presidente do Bndes e ex-ministro das Comunicações
Barros é economista-chefe da Quest, ex-presidente do Bndes e ex-ministro das Comunicações

Um dos conceitos mais polêmicos sobre as economias de mercado - aceito por muitos como uma verdade absoluta, questionado por outros como o ex-ministro Delfim Netto - é o do chamado PIB potencial. A existência de um teto de crescimento que a economia de um país tem, a cada momento na sua história, me parece ser algo intuitivo para quem acompanha o dia a dia dos mercados.

Afinal, como explicar o aparecimento de problemas conjunturais diversos após um período mais longo de expansão de economias tão diferentes e espalhadas pelo mundo todo? Recentemente, tivemos exemplos desses sinais de esgotamento da capacidade de crescimento nos Estados Unidos, na China, na Índia e na Austrália.

As tensões no tecido econômico que aparecem nesses momentos podem ocorrer no campo da inflação, no mercado de trabalho, na deterioração das contas externas e, em casos limite, com o aparecimento de bolhas especulativas em mercados de bens ou de ativos financeiros.

Em alguns casos, a ação do governo, principalmente por meio da política monetária dos bancos centrais, consegue desacelerar o crescimento antes que as tensões conjunturais citadas se transformem em desequilíbrios estruturais mais graves. Em outros, por razões variadas, não ocorre a ação preventiva dos governos, e a expansão continua até que certos limites sejam atingidos e a situação de crise sistêmica se instale na economia.

Dois casos recentes merecem ser lembrados. Nos EUA, em 2008, chegamos à ruptura por causa da crise no mercado de hipotecas; em 2011, na China, um processo semelhante foi abortado pela ação decisiva e dura das autoridades do governo.

Nos EUA, luta-se até hoje para recuperar o crescimento econômico abortado pela ruptura da bolha imobiliária, enquanto no gigante asiático as autoridades conseguiram desinflar os preços das casas sem que houvesse uma situação de pânico e quebra de bancos.

A diferença entre esses dois exemplos polares fica por conta da capacidade dos governos de identificar os limites estruturais atingidos em certos mercados e agir rapidamente para evitar o pior.

A identificação dos limites de crescimento de uma economia de mercado, sejam eles setoriais ou para toda a economia, é uma ciência mais intuitiva do que quantitativa. Os sinais de que se está atingindo o potencial de crescimento são tênues e podem aparecer em diversos segmentos da economia. Para ter sucesso nessa missão - além dos talentos individuais dos responsáveis pela gestão de uma economia nacional -, é necessário que se acredite na existência desses limites. Eu, definitivamente, acredito.

Certamente essa crença não é partilhada pela presidente Dilma e por sua equipe econômica. Por isso a insistência, mais uma vez, em que o Brasil vai crescer a taxas semelhantes às que ocorreram nos seis anos do governo Lula. Isso não é possível porque as forças que agiram naquele período não mais estão ativas na economia hoje.

Em outras palavras, a meta de 4,5% para este ano é inviável porque chegamos à barreira do PIB potencial da economia brasileira. O mesmo ocorreu no ano passado e, certamente, vai ocorrer em 2013 e em 2014 se não houver o entendimento de que, nas condições estruturais atuais do Brasil, crescer de 3% a 3,5% ao ano é o nosso limite.

Ao insistir em números mais elevados, o governo pode transformar uma vitória - crescer por vários anos a uma taxa de 3,5% - em uma derrota caso suas promessas não sejam cumpridas. Se o Brasil crescer nos próximos anos a essa taxa-limite, a presidente Dilma chegará ao término de seu governo com um País mais rico e mais justo, com índices de popularidade nas alturas e com grande chance de renovar seu mandato.

Por outro lado, se tentar turbinar a economia com medidas artificiais para chegar a números mais robustos de crescimento do PIB, poderá criar tensões conjunturais e estruturais graves, que acabarão por levar para baixo o crescimento, além de criar o risco de desequilíbrios mais sérios em alguns segmentos dos mercados.

Economista-chefe da Quest, ex-presidente do Bndes e ex-ministro das Comunicações

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Opinião economica: Dificuldades
Benjamin Steinbruch é diretor-presidente da CSN e presidente do conselho de administração da empresa
Opinião economica: Exportar
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Opinião economica: Simples assim
Nizan Guanaes é publicitário e presidente do Grupo ABC
Opinião econômica: Eu sou ‘investment grade’