Porto Alegre, domingo, 15 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
31°C
33°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0920 4,0940 0,67%
Turismo/SP 4,0800 4,3220 0,13%
Paralelo/SP 4,0900 4,3100 0,23%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
207648
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
207648
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
207648
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 17/04/2012

Racismo, tchê?

Antônio Carlos Côrtes e José Reis

O futebol não é algo indissociável da realidade social. Sendo assim, nos estádios vão se refletir as diferenças, discriminações e as mesmas injustiças sociais presentes na sociedade brasileira (Euzébio Assumpção). A imprensa registrou que no jogo Novo Hamburgo e Caxias, disputado dia 24 de março, no estádio do Vale, o árbitro Jean Pierre Gonçalves de Lima fez constar na súmula que toda a vez que o centroavante Vanderlei do Caxias tocava na bola, torcedores do Novo Hamburgo o chamavam de “macaco” ostensiva e insistentemente. O racismo no futebol sul-riograndense é tema recorrente, sem que autoridades desportivas e clubes tomem medidas enérgicas e exemplares. À guisa de ilustração, o artigo vai recordar alguns casos pontuais que felizmente a mídia denunciou com força: (1) Talentoso árbitro de futebol sul-rio-grandense Fabiano Gonçalves, tecnicamente perfeito, disciplinador era chamado de para-raios, a cada partida que apitava chegaram a dizer no rádio, mesmo antes de um jogo, que “se ele não fizesse na entrada, faria na saída”. (2) Em outubro/2005, no jogo do Juventude de Caxias do Sul e Internacional de Porto Alegre, os torcedores imitavam macaco quando o jogador Paulo Cesar (Tinga) tocava na bola. (3) O jogador Jeovânio, então do Grêmio, em jogo contra o Juventude também sofreu racismo por parte do jogador Antonio Carlos, que ao ser expulso por falta naquele jogador esfregou a mão direita no antebraço esquerdo apontando a etnia do jogador gremista para a torcida. As punições foram brandas. (4) Paulo Cesar Caju, página 205, relata no livro Fala Crioulo, do Haroldo Costa, que jogador do Botafogo do RJ foi jogar aqui no interior do Estado (Bagé, Santana do Livramento, Uruguaiana) e ele e os demais jogadores leram placa na porta de estabelecimentos comerciais proibindo a entrada de negros. Para coroar este racismo, a pergunta: se tudo isto não é verdade, onde estão os dirigentes e treinadores negros em nosso Estado?

Advogado, economista

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil